Goiânia: Audiência na Assembleia Legislativa aprova encaminhamento para melhoria do transporte da Grande Goiânia

A audiência pública que debateu melhorias no transporte coletivo da Região Metropolitana de Goiânia, realizada na tarde desta quarta-feira, 10, no auditório Costa Lima na Assembleia Legislativa de Goiás, aprovou dois encaminhamentos que deverão ter efeito prático no aperfeiçoamento do serviço prestado.

O primeiro ponto foi um encaminhamento à Companhia Metropolitana de Transporte Coletivo (CMTC) pedindo que o serviço do transporte público seja estendido a Caturaí e Santa Bárbara. Os municípios fazem parte da Região Metropolitana mas não contam com o benefício. Presente no evento, o presidente da CMTC, Benjamin Kennedy, de pronto adiantou que levará o assunto para ser analisado pela Câmara Deliberativa do Transporte Coletivo (CDTC) e acredita que não haverá entraves para a expansão do serviço.

Outra definição foi o encaminhamento para empresas e prefeituras que deverão ser responsabilizadas pela revitalização dos pontos de ônibus.

O debate foi aberto com fala do deputado Alysson Lima (PRB), que representa o Poder Legislativo na CDTC. Ele criticou a vontade do Governo em sair da pauta de gerenciamento do transporte coletivo.

“É inadmissível o Estado falar que não quer participar desse assunto. Quando ele fala isso, ele está rasgando o Estatuto das Cidades. O governo não pode se omitir, ele poderia financiar, por exemplo, a renovação da frota e a reforma dos terminais. Até os empresários já estão conscientes que do jeito que está não dá para ficar mais”, defendeu.

Entre as soluções apontadas no encontro, está a criação de um Fundo de Custeio do Transporte Coletivo. A ideia foi defendida pela grande maioria dos presentes. De acordo com o Delegado Eduardo Prado (PV) um projeto nesse sentido já foi apresentado ao governador Ronaldo Caiado.

“Nós estivemos no Ministério Público onde já protocolizamos nove ações. A promotora Leila Maria já apresentou ao governador um projeto de criação desse fundo e eu acredito que ele está estudando esse assunto e deve mandar esse projeto para a Assembleia”.

O parlamentar ainda criticou a falta de fiscais no transporte coletivo, hoje a CMTC possui apenas 12, e o não cumprimento dos termos contratuais por parte das empresas que prestam o serviço.

O vereador por Goiânia e representante da Câmara Municipal na CDTC, Lucas Kitão (PSL), cobrou que as prefeituras também cumpram com sua parte. “Eu cito aqui a implantação dos corredores da T-7 e da T-9 que não saiu do papel, além das reformas dos terminais. A gente deve cobrar o aumento e melhoria da frota, mas como fazer isso se não damos as condições necessárias para os ônibus rodarem? ”, questionou.

O vereador ainda defendeu que não haja diferenciação de tarifa entre as cidades que compõem a Região Metropolitana e sugeriu a criação de um parquímetro no Centro de Goiânia cujos recursos seriam destinados ao Fundo de Custeio do Transporte Coletivo.

Já o presidente da Metrobus, Paulo Reis, defendeu que a tarifa deve ser diferenciada e propôs ainda um escalonamento no preço da passagem de acordo com a distância percorrida.

Representando o prefeito de Trindade e presidente da CDTC, Jânio Darrot, o vereador pelo município, Agnelso Alves, garantiu que o aumento da tarifa é previsto em lei mas que só será efetivado depois que forem realizadas amplas discussões sobre o assunto.

Fonte: Alego