DF: Sinalização com QR Code auxilia na orientação sobre ônibus da UnB

Quem precisa diariamente de transporte público rodoviário sabe que nem sempre é fácil identificar quais itinerários passam por determinados pontos de ônibus. Como forma de ajudar o usuário, as paradas do campus Darcy Ribeiro estão recebendo placas de sinalização com imagens QR Code. As instalações começaram no início do mês, na parada entre o ICC Sul e o prédio Multiuso. Ao aproximar um smartphone das placas, é possível receber informações sobre as linhas previstas para aquele ponto.

A professora Suzan Pequeno Rodrigues, do Departamento de Geologia, é a idealizadora da proposta. “A grande diferença desse projeto é a identificação dos pontos de ônibus e a possibilidade de saber quais linhas passam por ali, mesmo sem acesso à internet. Isso vai ser muito útil para quem chega à UnB, como visitantes e calouros”, explica.

Com o slogan Meu ônibus passa aqui?, a medida é resultado do projeto Técnicas de sensoriamento remoto e sistema de informação geográfica (SIG) para mapeamento dos pontos de ônibus da Universidade de Brasília (campus Darcy Ribeiro) e proposta de sinalização visual. Bolsista do Programa de Iniciação Científica em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação (Pibiti), o estudante de Geologia Victor Boaventura Jesus foi responsável por realizar todo o mapeamento das paradas de ônibus.

O campus Darcy Ribeiro possui ao todo 27 pontos, sendo 24 cobertos e três sem cobertura. “Fizemos o reconhecimento de cada um deles, inclusive de alguns na L2 Norte, por terem localização estratégica”, detalha o estudante. Após o trabalho de mapear e levantar as informações das linhas disponíveis em cada ponto, Suzan levou o projeto à direção do Instituto de Geociências (IG), que patrocinou a confecção das chapas. O kit, com custo de cem reais, contém duas placas de 20cm x 40cm com a numeração da parada e uma de 60cm x 40cm com o QR Code.

A professora esclarece que a produção considerou o recurso disponível para definir o tamanho do material produzido. O layout seguiu um padrão didático e intuitivo de leitura. Para seguir a identidade visual da UnB, as placas passaram por processo de melhoramento gráfico, realizado em parceria com a Coordenadoria de Comunicação Visual (CCV) da Prefeitura do Campus (PRC).

Agora, a PRC está limpando e pintando de branco todas as paradas de ônibus, para que haja contraste com o fundo azul da sinalização. A expectativa é que até o fim do mês de outubro todas as placas estejam instaladas.

“As chapas são antivandalismo. Nos preocupamos com a durabilidade e buscamos um material que pode facilmente ser limpo e menos propício à deterioração”, aponta a professora. Suzan acredita que a nova sinalização servirá de estímulo à comunidade para a conservação das paradas, afastando pichações e propagandas.

UTILIDADE PÚBLICA – Recém-chegada à UnB, a estudante Victoria Paz Machado, do primeiro semestre de Biotecnologia, relata que ficou perdida no início quanto ao transporte público. “É mesmo complicado achar os horários, entender o funcionamento das linhas e da rota dos ônibus”, endossa. Para ela, a ferramenta vai ser muito útil para todos, especialmente em situações de emergência.

Por se tratar de uma tecnologia acessível e disponível na internet de forma gratuita, o custo do projeto foi muito pequeno. “Não foi preciso contratar equipe especializada para gerar os códigos. Todo este trabalho foi realizado pelo próprio bolsista”, informa Suzan.

Ao fazer a leitura do QR Code, a tela do celular exibe as linhas que passam naquela parada. Com internet, é possível consultar também o mapa do campus com a localização de todos os pontos de ônibus. “É um acesso simples e fácil, que permite a rápida identificação por quem utiliza o código”, avalia.

"Como já existem aplicativos próprios que indicam o itinerário, como o +Ônibus, o Moovit e o Google Maps, nossa intenção era fornecer algo que ainda não estava disponível: a informação sobre as paradas”, complementa.

PERSPECTIVAS – Como a ideia já existe em algumas cidades do país, a expectativa é apresentar a ação da UnB ao serviço de Transporte Urbano do Distrito Federal (DFTrans). “Esperamos incluir esse projeto na parceria já consolidada que o IG possui com o Governo de Brasília, que busca aplicações voltadas à solução de problemas públicos”, mira Suzan Rodrigues.

Embora o projeto já tenha sido finalizado, há possibilidade de ampliar a sinalização a outros campi da UnB. Para isso, os responsáveis vão disponibilizar todo o material utilizado no desenvolvimento, possibilitando que a iniciativa seja replicada.

Para a docente, a experiência serviu para expandir as fronteiras de seu campo de atuação. “Mesmo não pertencendo a áreas que normalmente atuam em sinalização urbana, como Comunicação ou Arquitetura, foi muito válido buscar uma solução para o bem comum”, destaca.

Este foi o primeiro projeto de iniciação científica de Victor Boaventura. “Foi muito gratificante, especialmente porque tem repercussão social, com potencial de ajudar outras pessoas”, avalia. O estudante está no nono semestre e espera atuar na área de Geologia, mas não descarta a possibilidade de ingressar na pós-graduação futuramente.

Fonte: UnB Notícias