DF: Passageiros reclamam da falta de iluminação no Terminal de Taguatinga Norte

Por Rafael Martins

O que seria provisório, tornou-se definitivo. Às margens da Avenida Elmo Serejo, ao lado do estádio homônimo, encontra-se o Terminal Rodoviário de Taguatinga Norte. Entregue em setembro de 2013, após o antigo terminal ser desativado e demolido para dar lugar ao gigante e vazio Centro Administrativo do Distrito Federal, o local convive com inúmeros problemas.

O mais evidente é a falta de espaço para abrigar os ônibus que partem dali, cuja situação agrava-se nos horários de pico. Ao todo, são apenas 10 boxes para acomodar o fluxo de ônibus interestaduais e do Entorno, mas as baias não comportam o tamanho dos ônibus rodoviários. O local é de difícil manobra para os motoristas. O Terminal recebe também as linhas do Corujão do sistema distrital de transporte.

Todavia, outro problema aflige quem passa pelo Terminal: a segurança. Na última semana, a reportagem do Bom Dia DF visitou o local que carece de iluminação adequada e com isso trabalhadores da região contam que assaltos são frequentes.

A insegurança é ainda maior no estacionamento, pois atrás da Rodoviária há uma extensa área verde que serve de rota de fuga dos assaltantes. Não há qualquer iluminação no local, apenas na parte interna do terminal.

Ao Bom Dia, a Polícia Militar disse que já faz patrulhas na Rodoviária, mas vai verificar a reclamação e se for o caso, reforçar as rondas ou até colocar um policiamento fixo.

Quanto a responsabilidade pela iluminação do local, há um jogo de empurra-empurra: a CEB afirma que instalação de lâmpadas é de responsabilidade do gestor do terminal, porém a reportagem não teve resposta da administração, nem do GDF.

Problemas há três décadas

Em setembro de 2011, os passageiros esperavam uma solução definitiva quando o GDF anunciou que a antiga Rodoviária seria desativada para dar lugar ao Centrad. O espaço funcionava há mais de 30 anos, e abrigou linhas urbanas do DF, Entorno e as interestaduais, mas a estrutura já estava condenada devido a falta de manutenção. O local tornou-se ponto de abrigo de moradores de rua e usuários de drogas.

Com a construção do Centrad, as linhas do DF que saíam de Taguatinga Norte foram redistribuídas para os terminais do P Sul (Ceilândia) e M Norte (Taguatinga). Ao lado do estádio, a concessionária responsável pelas obras do Centro Administrativo ergueu o terminal provisório próximo do antigo. Paralelo a isto, estudou-se a construção de uma nova rodoviária definitiva que seria próximo a uma estação do metrô, porém, a ideia não saiu do papel.