DF: Término da reforma da Rodoviária do Plano Piloto está previsto para 2019

Por Rafael Martins

"A Rodoviária do Plano Piloto estará de cara nova até o fim de 2010". Era com esta frase de otimismo em 2009 que o Governo do Distrito Federal previa entregar totalmente revitalizado o maior terminal de ônibus da capital. A última grande reforma deu-se em 1998.

Monumento tombado e parte integrante do patrimônio da humanidade, a Rodoviária do Plano Piloto foi projetada para atender a um público de 50 mil pessoas por dia. Hoje, por ela transitam, diariamente, mais de 700 mil pessoas.

Um edital para reforma foi até lançado em 2009, mas por conta do projeto não atender as normas de acessibilidade e nem seguir as normas do tombamento, foi anulado. A previsão para a restauração geral da Rodoviária ficou então para 2012, mas apenas as escadas rolantes e os elevadores foram trocados neste prazo. A troca das escadas custou R$ 4,5 milhões, os elevadores custaram R$ 1,13 milhão.

Visando preparar a Rodoviária para a Copa do Mundo de 2014, o local recebeu novas intervenções, mas pouco antes do início do Mundial o GDF encerrou o serviço e a reforma ficou incompleta. Ao todo foram investidos R$ 8 milhões. Novas escadas rolantes e elevadores, reforma de banheiros, instalação de fraldários, limpeza de mármores com direito a verniz antipichação e novas instalações para embarque e desembarque foram as mudanças implementadas.

A promessa era retomar as obras depois da Copa, o que não acabou acontecendo. Em 2016 a Plataforma E recebeu intervenções, porém somente uma parte da revitalização foi entregue. A empresa responsável pelas obras teve problemas, e somente em dezembro do ano passado a reforma foi retomada.

As intervenções nas plataformas obedecem as novas normas de acessibilidade e engenharia, como o pavimento de concreto armado nas baias, troca total do piso na área de circulação dos passageiros, instalação de piso tátil para deficientes visuais e rampas nos acessos do terminal. Toda a parte elétrica e hidráulica também está sendo trocada.

Ainda assim há queixas como a conservação dos banheiros, escadas rolantes e elevadores. Segundo a administração da Rodoviária, o elevado índice de vandalismo impede que tais equipamentos sejam recuperados em tempo hábil para uso da população, mesmo com contratos terceirizados para a manutenção.

Parte da Plataforma A atualmente está em obras, conforme mostrou a reportagem do DF2 no último sábado (2) sobre a reforma da Rodoviária. As linhas operadas pela TCB, e a 0.109 da Viação Piracicabana partem da Plataforma F.

Os ônibus das linhas com destino a Planaltina embarcam na Plataforma Superior.

As demais linhas da Plataforma A, como as que atendem o Paranoá, Itapoã, Lago Norte e UnB, continuam partindo do local, mesmo com as obras em andamento.

De acordo com a Novacap, as obras em toda a Rodoviária do Plano Piloto devem acabar somente em abril de 2019. A reforma deve custar aos cofres do GDF cerca de R$ 30 milhões.