DF: Roubo a ônibus cai mais de 23% em relação a março de 2017, porém houve aumento nos casos em 2018

DF mantém queda no número de roubos em coletivo
Por Rafael Martins

Os roubos em coletivos no Distrito Federal caíram 23,6% em março deste ano se comparado ao mesmo período de 2017. O índice foi apresentado pela Secretaria da Segurança Pública e da Paz Social nesta sexta-feira (6).

Os dados foram apresentados pelo titular da pasta, Cristiano Sampaio. Houve uma redução de 36% no índice de roubos em transporte coletivo em relação ao primeiro trimestre de 2017. “Como vínhamos de um aumento desses assaltos no passado, unimos esforços de diversos departamentos”, explicou Sampaio. Segundo ele, a Secretária de Mobilidade trabalhou em parceria com as Polícias Civil e Militar para prevenir esses crimes.

O subsecretário de Fiscalização, Auditoria e Controle da pasta de Mobilidade, Felipe Martins, avaliou o resultado como um avanço na política de enfrentamento ao crime. “No acumulado de janeiro a março, a redução de roubos em transportes coletivos foi de mais de um terço.”

Entretanto a redução não significa uma melhora, mas sim porque muitas vítimas deixam de registrar a ocorrência. Por conta da alta reincidência, as pessoas ficam com medo de denunciar.

“O registro de cada ocorrência e a informação qualificada são essenciais para o planejamento das forças de segurança”, avaliou o secretário da Segurança Pública, Cristiano Sampaio, na apresentação dos dados.

Todavia, ao analisar os dados somente do primeiro trimestre de 2018, houve um aumento: foram 131 ocorrências registradas em janeiro, contra 173 em fevereiro e 178 registros em março.

Um mapeamento feito pelas empresas de ônibus revela onde estão os maiores índices de violência no transporte coletivo do DF. Sol Nascente (Ceilândia), Samambaia, Recanto das Emas, Estrutural, Morro da Cruz (São Sebastião) e Planaltina são as regiões mais vulneráveis.