DF: Mobilidade quer biometria facial em pleno funcionamento até 30 de abril

Viação Marechal
Por Rafael Martins

Uma portaria da Secretaria de Mobilidade, publicada hoje (02) no Diário Oficial, determinou a obrigatoriedade da utilização da biometria facial no sistema de transporte coletivo até 30 de abril. A normativa abrange todos os operadores das linhas dos modos ferroviário e rodoviário no DF.

Em caso de descumprimento, os operadores serão notificados pela Subsecretaria de Fiscalização, Auditoria e Controle da Secretaria de Estado de Mobilidade do Distrito Federal – SUFISA.

A Associação das Empresas Brasilienses de Transporte Urbano de Passageiro (Abratup) informou ao Pense Mobilidade que 100% da frota das cinco concessionárias já contam com a biometria instalada e em pleno funcionamento nos ônibus.

A previsão do governo era de que até fevereiro, o recurso, que evita fraudes no transporte público, estaria presente em todo o sistema de transporte coletivo. 

A assessoria da Semob esclareceu que a referida portaria estabelece o prazo  máximo de 30 dias para todas as cooperativas finalizarem a implantação da biometria nos micro-ônibus; e ratificou a informação repassada pela Abratup.

Até o fechamento desta edição, o Metrô-DF não respondeu aos questionamentos da reportagem.

Entenda como funciona a biometria facial

Acima dos validadores, onde os passageiros passam o cartão, são instaladas câmeras que captam imagens de quem passa pela catraca. Por meio de um software, elas são comparadas com as fotos cadastradas no sistema.

Quando o programa detecta automaticamente divergências — ou seja, alerta que as imagens não coincidem —, um analista do Transporte Urbano do Distrito Federal (DFTrans) avalia se há um caso de fraude.

Se confirmada a irregularidade, o benefício é suspenso, e abre-se um processo administrativo em que o usuário tem direito ao contraditório e ampla defesa. De acordo com a secretaria, se ainda assim os esclarecimentos forem insatisfatórios, o cartão é bloqueado.