Anápolis: Porque algumas linhas de ônibus estão sendo unificadas?

Urban - 81183
Por Rafael Martins

Usuários do transporte coletivo queixam-se que desde 2016 certas linhas de ônibus deixaram de operar em horários noturnos e finais de semana, e com isso passaram a dar uma volta maior do que o necessário para chegar ao seu destino final em trajetos unificados. Mas por que isso acontece?

Dados obtidos pelo Pense Mobilidade junto a Urban mostram que o transporte coletivo perdeu em nove anos 16,2% dos passageiros. Em contrapartida, no mesmo período, a população aumentou 15,2% - saltando de 325.544 habitantes para os atuais 375.142 habitantes, segundo dados do IBGE.

O índice de demanda é um importante componente que permite a avaliação do atendimento do transporte coletivo urbano, em cada faixa horária e em cada linha. Os números referem-se ao número de validações feitas por cada usuário ao longo do itinerário, ida e volta. A perda se concentrou no período noturno – em todos os dias – após as 14h dos sábados (devido a diminuição da atividade comercial no centro expandido) e em todos os domingos.

Conforme o gráfico abaixo, em relação ao dia útil, o número de passageiros retrai 46% aos sábados e 77% aos domingos.


Em reflexo a esta perda de demanda, principalmente nos finais de semana, foi necessário a realização de um trabalho de otimização das linhas de ônibus em regiões onde houve acentuada queda de passageiros. Além das informações da bilhetagem eletrônica, dados da pesquisa sobe/desce subsidiaram os estudos para as mudanças nos trajetos.

Esta pesquisa sobe/desce consiste basicamente na contagem de passageiros que embarcam e desembarcam em cada ponto da linha de ônibus. Ela fornece dados mais precisos sobre a rotatividade de usuários no trajeto, determinando o nível de ocupação em cada faixa horária e portanto a frequência de viagens que deve ser ofertada.

A partir desta avaliação - em dias úteis, sábados e domingos - verificou-se que em determinados horários não haviam quantidade de passageiros que justificasse a manutenção de uma linha específica para aquele bairro. Para não haver prejuízo no atendimento, as linhas com menor demanda de passageiros tiveram seus trajetos unificados com as de maior demanda; ou linhas de baixa demanda foram unificadas possibilitando uma maior oferta de atendimento nos bairros.

Isto já ocorria antes da Urban assumir a concessão em 2015. Linhas como a 121 - Parque Iracema / Jardim América, 127 - Vivian Parque via São Vicente, 122 - Vivian Parque via Paraíso e 135 - Jardim Primavera via Filostro já operavam, e ainda operam sob esta premissa.  

Algumas destas circulam somente nos primeiros e/ou últimos horários do dia, quando não há demanda significativa. Outras operam após as 20h em dias úteis, aos sábados a partir das 14h e durante todo o domingo. 

A tabela abaixo mostra as linhas unificadas a partir de 2016.

Credita-se também a queda de demanda em alguns locais por conta de vários fatores, tais como: as centralidades locais identificadas tornaram alguns bairros autossuficientes no atendimento aos seus moradores, com forte rede de comércios e serviços, além das altas taxas de motorização da população que aumentou consideravelmente nos últimos anos.

A criação da linha 172 - Progresso/Bandeiras com atendimento regular de domingo a domingo evidencia a consolidação da centralidade encontrada na Avenida Fernando Costa, que polariza a Vila Jaiara e bairros adjacentes. Neste caso, duas linhas cujos atendimentos eram paralelos foram desativadas, e o itinerário unificado destas deu origem a linha 172 com maior frequência de ônibus nos bairros. Nos horários de pico há ônibus a cada 10 minutos, enquanto nos entrepicos o intervalo é de 20 minutos.

Tomando por base um dia útil típico, o sistema de transporte em Anápolis apresenta um pico bem marcado no período da manhã - entre 6h e 7h, e mais distribuído no período da tarde entre 16h e 19h. Apesar disto, a demanda sofre fortes variações ao longo do dia com retração de 40% a 45%, e queda de 80% após as 19h em comparação ao pico da manhã (maior fluxo).

O crescimento mais acentuado das viagens nos picos do que no total do dia representa um maior desequilíbrio econômico do sistema na medida em que a demanda dos horários de pico condiciona o dimensionamento da frota necessária, portanto de custos, enquanto a demanda dia representa a receita global do serviço. Assim haverá proporcionalmente um crescimento maior da frota necessária, do que da receita global.

Todas as avaliações e pesquisas realizadas recentemente - incluindo a pesquisa Origem e Destino - tem por objetivo atualizar a rede de transporte coletivo de Anápolis às mudanças de comportamento da demanda ocorrida nos últimos anos, melhorar a qualidade dos serviços, ampliar a demanda atendida, e gerar economia para reinvestir em qualificação do transporte.

Em nove anos, a  quilometragem percorrida pelos ônibus aumentou 5%, enquanto o número de linhas em operação subiu 6% e a frota de ônibus 10%. Na contramão, o índice produtividade de cada viagem dos ônibus (IPK) caiu 20%.


Quando observa-se o comportamento da demanda nos dias úteis, a mesma permaneceu estável entre 2009 e 2017. Todavia, nota-se quedas significativas nos finais de semana, em que aos sábados houve retração de 15%, enquanto aos domingos o sistema perdeu 38% dos passageiros.


Neste cenário de queda de demanda, a tendência é que se consolide um tipo de rede de linhas de ônibus personalizada aos finais de semana (com linhas unificadas), com oferta compatível com a demanda específica, para atendimento de trabalho, lazer e entretenimento.