DF: Viaduto da Galeria dos Estados não será demolido, e estrutura que ficou de pé vai ser reaproveitada

Novacap finaliza remoção de bloco de viaduto no Eixão Sul
Representantes do governo e especialistas se reuniram nesta sexta-feira (2), no Palácio do Buriti, para definir qual será o encaminhamento para a recuperação do viaduto da Galeria dos Estados, onde parte da estrutura desabou em 6 de fevereiro.

Com base nas análises feitas pela Universidade de Brasília (UnB), houve um consenso em aproveitar a estrutura das fundações do viaduto no Eixo Rodoviário e refazer todas as asas dos pilares de sustentação – armação que foi rompida.

Quanto às lajes da parte superior, onde passam os carros, ainda não ficou definida se serão totalmente refeitas ou só recuperadas. Um estudo, levando em conta os custos, será feito para então tomar as medidas cabíveis.

De acordo com o diretor-geral do Departamento de Estradas de Rodagem do Distrito Federal (DER-DF), Márcio Buzar, o projeto para a recuperação das vigas de sustentação será feito pela autarquia, em conjunto com a Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil (Novacap).

A expectativa é que o processo licitatório seja concluído em dois meses. Os recursos para a obra de recuperação e manutenção do viaduto é oriunda da reserva de contingência. São R$ 50 milhões destinados para intervenções emergenciais.

Relatório técnico com as análises e todas as medidas tomadas pelo governo desde o início do acidente será disponibilizado na semana que vem. A previsão é que até o final do ano o viaduto esteja totalmente recuperado.

A demolição e remoção do bloco que caiu ocorreu no último final de semana, 24 e 25 de fevereiro. A quebra da estrutura durou nove horas e 15 minutos ininterruptos, foram cerca de 200 toneladas de entulho retiradas por 46 caminhões.

O material será reaproveitado pela Novacap para a utilização em meios-fios, tampas de boca de lobo e outros equipamentos.

Assim que parte do viaduto caiu, o governo de Brasília iniciou os planos emergenciais para a manutenção do espaço. Primeiro o trânsito da via foi alterado para que os trabalhos de escoramento pudessem ser feitos.

Também foi preciso fazer um monitoramento de outras estruturas que têm a mesma idade do viaduto, como a as Pontes do Bragueto e Honestino Guimarães.

A Galeria dos Estados recebeu ações de manutenção na edificação, como processo preventivo. As galerias de águas pluviais foram limpas, assim como foi feita a remoção de infiltrações. A laje também será reforçada.

Fonte: Agência Brasília