DF: Insatisfeitos com sistema de integração, moradores do Vale do Amanhecer fazem abaixo-assinado pelo retorno da linha direta ao Plano Piloto

Insatisfeita com o sistema de integração que funciona há cerca de um mês na região do Vale do Amanhecer, em Planaltina, a datilógrafa Vanessa Santos Oliveira, 41, decidiu ver se a indignação era só dela. Assim, começou um abaixo-assinado para reverter a situação. A surpresa foi que, na primeira busca pelos reclamantes, a adesão foi tão grande que rendeu uma versão digital. Além disso, hoje de manhã, está marcada uma manifestação na Rodoviária de Planaltina. Tudo na tentativa de modificar o sistema vigente.

Vanessa acredita que a manifestação e o abaixo-assinado são as únicas formas de fazer com que o governo escute a população e reavalie o sistema, que trouxe mais demora no dia a dia dos trabalhadores. Neste primeiro momento, haverá apenas uma movimentação na rodoviária da cidade. Porém, se nada for feito, existe a possibilidade de fechar a via que passa em frente ao Vale do Amanhecer e dá acesso ao centro de Planaltina e ao Paranoá. O intuito não é atrapalhar os motoristas, mas chamar atenção para o atual problema.

Demora

Antes, havia linhas diretas do Vale do Amanhecer para o Plano Piloto durante todo o dia. Porém, após o início da integração, quem quiser ir ao Plano Piloto das 8h às 16h tem de pegar um circular no Vale, ir até a Rodoviária de Planaltina, a cerca de 6 km de distância, e, lá, esperar um outro veículo para chegar à Rodoviária do Plano. Assim, o tempo de percurso, que, em média levava até uma hora, agora consome pelo menos uma hora e meia da rotina dos moradores do setor.

O sistema começou no início de fevereiro, com o intuito de melhorar a rede de transporte da cidade. Porém, a avaliação dos usuários, até o momento, não é boa. Vanessa diz que, além de ter que ficar esperando muito tempo para pegar um circular no Vale, a frequência de linhas da Rodoviária de Planaltina para a do Plano Piloto não é tão intensa quanto o necessário.

A técnica em enfermagem Yara Souza, 30 anos, passa pelas mesmas dificuldades e não entende o porquê da existência de um sistema que traz complicações para o passageiro. “Sempre morei no Vale do Amanhecer. Gosto daqui, mas está muito difícil conviver com isso”, reclama a mulher, que vive na região há 27 anos.

Após as mudanças, o trajeto que levava menos de uma hora, numa linha direta – saindo do Vale, direto para o Plano, não pode mais ser feito. Em vez de sair às 9h e chegar até 9h50 no final da Asa Norte, ela demora mais meia hora devido à necessidade de pegar um circular.

Pirataria se aproveita do caos

Com a necessidade de pegar um ônibus a mais, parte da população admite encarar a pirataria para encurtar o processo. Maria do Socorro de Souza, 64, reclama que, se a filha não tem dinheiro para pegar um ônibus irregular, fica mais de 20 minutos esperando o circular.

A técnica em enfermagem Yara Souza lembra que, apesar da promessa de que essas linhas passariam com agilidade, não é isso que ocorre. Com o uso do transporte pirata, além da insegurança, existe o maior gasto com as passagens.

Enquanto isso, o abaixo-assinado só vai crescendo: já são mais de 1,2 mil assinaturas. A intenção é protocolá-lo até o fim da desta semana no DFTrans, Secretaria de Mobilidade e na Câmara Legislativa, para que se consiga apoio.

Versão oficial

Por nota, o Transporte Urbano do Distrito Federal (DFTrans) argumenta que o sistema de integração foi ampliado para proporcionar mais opções de deslocamento ao usuário.

No caso do questionamento em relação ao Vale do Amanhecer, a instituição ressalta que, antes da ampliação, os passageiros disponibilizavam de sete viagens com trajeto Vale/Rod. Plano Piloto, no período das 8h às 19h, com intervalos que variavam de 60 a 110 minutos. Assim, contrastando com o informado pelos passageiros.

Para a pasta, agora, com a linha 067.3 (circular), o usuário tem 46 opções de viagens – do Vale ao Terminal de Planaltina – com intervalos de 20 minutos. Já as viagens do Terminal de Planaltina para a Rodoviária do Plano Piloto podem ser feitas a cada 11 minutos, intercaladas nas linhas 600.7 e 620.1, que juntas somam 61 viagens. As viagens do período de pico foram mantidas.

Fonte: Jornal de Brasília