DF: Expresso DF Sul transporta em média 38 mil passageiros por dia

Viação Pioneira - 226360
Por Rafael Martins

Previsto para transportar 100 mil passageiros por dia, Expresso DF Sul carrega quase três vezes menos: 38 mil. O BRT liga as regiões administrativas do Gama, do Park Way e de Santa Maria ao Plano Piloto, porém grande parte do corredor corta áreas de baixas densidades populacionais.

A demanda de usuários de uma linha de transporte público está intimamente ligada à ocupação urbana de sua área de influência, em especial às características do uso e nível de ocupação do solo.

Ao longo do corredor exclusivo, as densidades são baixas entre as cidades atendidas pelo modal - 579 hab/km² (Santa Maria), 513 hab/km² (Gama) e 250 hab/km² (Park Way) - sendo que não há concentração de atividades econômicas, nem ocupação de moradias ao longo do corredor exclusivo. Isto é reflexo da heterogeneidade da forma como deu-se a ocupação territorial no DF.

A estruturação da rede de transporte em linhas diretas justificou-se pelo próprio caráter pendular dos deslocamentos do brasiliense somado a fragmentação do tecido urbano, polarização do Plano Piloto, elevadas distâncias e baixas densidades; ou seja, a forma como se deu a ocupação e uso do solo ao longo dos anos, hoje, se reflete nos desejos de viagem radiais provenientes de praticamente todas as regiões do DF.

Por outro lado, a característica pendular das viagens, as grandes distâncias percorridas, assim como as demandas concentradas, favorecem a implantação de corredores tronco-alimentados como o Expresso DF Sul.

O índice de demanda é um importante componente que permite a avaliação do atendimento do transporte, em cada faixa horária e em cada linha. Os números referem-se ao número de validações feitas por cada usuário ao longo do itinerário, ida e volta - seja no embarque a bordo dos ônibus ou nos terminais e estações do BRT.

Dados de 2015/16 da Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan) revelam que 63% da população de Santa Maria utiliza o ônibus em seus deslocamentos, enquanto no Gama o percentual é de apenas 43%. A situação é mais crítica no Park Way: 5% utilizam o transporte público.

Ao relacionar a cobertura da rede de transporte e as densidades urbanas, percebe-se que há alguma coincidência entre a concentração de linhas e as densidades populacionais.

A cidade do Gama manteve seu projeto urbanístico inalterado, em que lembra o formato de uma colmeia, tendo verificado nos últimos anos intenso processo de verticalização. Desta forma o raio de atendimento do sistema BRT no Gama é menor que em Santa Maria, o que proporcionalmente confere ter uma maior oferta de transporte coletivo que a cidade vizinha.

Enquanto a área urbana do Gama é compacta, a ocupação do território em Santa Maria deu-se de forma irregular configurando numa região com forte espraiamento e horizontalização do tecido urbano, em que já pode-se identificar que a tendência de conurbação se materializa claramente com os municípios goianos de Novo Gama e Valparaíso. À medida em que o raio de atendimento do transporte coletivo amplia, as densidades caem, e por consequência a oferta de linhas torna-se mais escassa.

Apesar do quadro enxuto de linhas, o fato da rede estar estruturada no sistema tronco-alimentado confere a existência de linhas com boas frequências de atendimento.

Transporte coletivo funciona basicamente sob dois conceitos: oferta e demanda. Se a demanda retrai ou amplia, a oferta acompanha. Conforme a tabela abaixo, os dados operacionais do Expresso DF ratificam os dados censo da Codeplan quanto ao uso do transporte coletivo pela população.


A situação é mais sensível no Park Way, onde há uma estação para onde parte uma linha para a W3 nos entrepicos. A média diária chega a mil passageiros.

O IPK - Índice de Passageiros por Quilômetro das linhas troncais varia de 0,43 a 2,38. As oito linhas troncais do Expresso DF Sul transportam mensalmente uma média de 1,1 milhão de passageiros, número muito abaixo se comparado a outros sistemas BRT's do país.