DF: Centro de Controle Operacional da Pioneira aprimora a gestão da frota e minimiza os impactos do trânsito sobre o transporte

2018-03-01_11-45-17
Por Rafael Martins

Brasília tem em seu DNA a essência rodoviarista, e as amplas avenidas e estradas parque já não comportam o volume de automóveis, e a capital do país tem demonstrado estar chegando ao seu limite.

Dados da Secretaria de Mobilidade mostram que o Distrito Federal tem 55 carros para cada 100 habitantes, o que evidencia uma lógica perversa: é o último lugar no país em quantidade de pessoas que usam o transporte público (32% da população) e um dos primeiros em números de carros por habitante.

Depois de décadas sem investimentos em infraestrutura voltada para o transporte coletivo, Brasília corre contra o relógio para recuperar condições de mobilidade. Isto porque na atual conjuntura, segundo cenários e simulações do Plano Diretor de Transporte Urbano e Mobilidade do Distrito Federal (PDTU), os problemas de congestionamentos vão se agravar e o trânsito parar em 2020.

Estes fatores são fortes obstáculos para a pontualidade do transporte coletivo. Para contornar este problema, as empresas de ônibus apostam em alta tecnologia para vencer as barreiras e diminuir os impactos sobre a qualidade do serviço.

A Viação Pioneira é a maior empresa de ônibus de Brasília: são mais de 600 ônibus atendendo a Bacia 2, que compreende as regiões do Gama, Paranoá, Santa Maria, São Sebastião, Candangolândia, Lago Sul, parte do Park Way, Jardim Botânico e Itapoã. A empresa opera desde junho de 2014 o primeiro BRT da capital do país - o Expresso DF Sul.

As condições de trânsito interferem diretamente nos horários das viagens e os impactos de fatores como acidentes, transtornos causados pelas chuvas, atos de vandalismo e até imprevistos com mão de obra são variáveis decisivas para os eventuais atrasos na frequência do transporte público.

Thiago Sales, Supervisor da Central de Controle Operacional (CCO) da Viação Pioneira, explica que o espaço é responsável por controlar o cumprimento da rota e dos horários dos ônibus, analisar eventualidades que podem prejudicar o fluxo da viagem e implantar ações que podem diminuir o impacto destas na operação. "A CCO nos dá qualidade e agilidade nas informações. Nossa equipe representa uma ligação direta entre despachantes de terminal, os motoristas e os acontecimentos do trânsito; fornecendo informações substanciais tanto para o planejamento e gerenciamento da operação".

A CCO funciona 24h, sete dias por semana, com 10 operadores divididos em três turnos. "São 4 durante a manhã, 4 na tarde e dois na noite/madrugada. Cada operador toma de conta de uma cidade, que são divididas em 4 regiões: Itapoã/Paranoá, São Sebastião, Gama e Santa Maria, de forma a facilitar e dinamizar o serviço de controle dos veículos. As ordens de serviço do DFTrans são cumpridas 100%. Com relação a atraso, as linhas que passam por Taguatinga tem o maior índice, justamente pelo gargalo de trânsito que ali tem. Reforço que existem atrasos decorrentes dos gargalos no trânsito principalmente nos picos, mas a planilha não deixa de ser cumprida", explica o supervisor.

Desde 2016 a Pioneira tem garantido o acesso do Moovit ao sistema de monitoramento por GPS, que garante o acompanhamento de cada veículo. Desta forma os passageiros de ônibus podem contar com uma ferramenta online para descobrir o melhor trajeto e monitorar a chegada dos próximos ônibus nos terminais, estações e pontos de parada. "Agora estamos trabalhando para fornecer as informações para o aplicativo +Ônibus, lançado este ano. Outro projeto em estudo é de desenvolvermos um aplicativo próprio de consulta de rotas e horários aos nossos clientes", revela.

É recorrente relatos e notícias sobre a insegurança no transporte de Brasília. São furtos, roubos, arrastões, tentativas de homicídio e até assassinatos nos terminais e ônibus que cortam a capital.

A pressão para a resolução do problema, de imediato, cai sobre as empresas de ônibus para criarem mecanismos para reforçar a segurança dos passageiros. Dentro do arcabouço que rege o contrato de concessão, as empresas já cumprem o que é estabelecido com relação a segurança, entretanto por ser um problema de ordem pública, a resolução ultrapassa a competência das concessionárias do transporte.

"Desde quando compramos os novos ônibus, toda a frota possui o botão do pânico. O acionamento do botão, por meio de um teclado no painel do ônibus, notifica rapidamente a CCO sobre a ocorrência de emergências tais como acidentes, roubos etc. Este teclado possui respostas pré configuradas para o motorista poder comunicar-se rapidamente com a CCO. Para que não haja falsos alarmes, uma vez acionado, o controlador da CCO envia uma mensagem para o motorista perguntando da situação. Se ele [o motorista] não responder dentro de determinado tempo, é automático o acionamento do 190 informando a localização do veículo que tem uma possível ação de assalto ou um problema dentro do ônibus", frisa o supervisor.

A frota da Pioneira conta com câmeras de segurança, além das estações e terminais do BRT terem esse videomonitoramento integrado a CCO. Thiago conta que quando ocorre algum delito nos ônibus ou terminais, as imagens solicitadas são entregues aos órgãos de segurança responsáveis para que os autores sejam identificados. Cabe destacar que 100% do conteúdo filmado 24 horas por dia é transferido para um servidor e armazenado por 30 dias, conforme estabelece o contrato de concessão.

Videomonitoramento BRT - Viação Pioneira

O funcionamento da CCO

Os dados GPS dos ônibus são enviados através das antenas de telefonia móvel para um datacenter, e por fim a CCO da Viação Pioneira. De acordo com Thiago, o sistema desenvolvido pela Transdata permite a verificar se os ônibus estão cumprindo as suas programações, ou seja, os horários das viagens; e o percurso previamente planejado conforme determina a Ordem de Serviço do DFTrans.

Rastreamento e gestão de frota - Viação Pioneira

Com o quadro sinótico, a Pioneira consegue ver em tempo real se os ônibus estão dentro do horário previsto, atrasado ou adiantado, e se há formação de comboio - quando tem dois ou mais ônibus de uma mesma linha praticamente no mesmo local e horário, ou seja um atrás do outro.

Quadro sinótico - CCO Viação Pioneira

Quadro sinótico - CCO Viação Pioneira

A tabela de eventos possui critérios para cada tipo de falha na operação e assim atuar de forma direcionada nas linhas que tiverem necessidade de ação imediata.

Quadro de eventos - CCO Viação Pioneira

A função do controlador é de acompanhar em tempo real o que está acontecendo nas linhas, tomar providências operacionais, ou em alguns casos, informar ao supervisor. Essas informações podem ser acompanhadas pelo computador ou pelo contato do motorista, através do rádio ou de mensagens no sistema interno, o que agiliza a comunicação.

Quadro de mensagens - CCO Viação Pioneira