DF: Carnaval termina com 58 ônibus depredados, número menor que 2017

Garagem Urbi Samambaia
Por Rafael Martins

O número de ônibus vandalizados neste carnaval chegou a 58, número um pouco menor que 2017 quando foram registrados 69 ônibus depredados.

As empresas de ônibus não falam em números, porém o prejuízo pode superar os R$ 200 mil reais.

A Urbi foi a empresa com maior número de carros vandalizados: 31 no total. 

A Viação Pioneira teve 10 ônibus, sendo sete do BRT. 15 são da Piracicabana e dois da Marechal. A São José não teve nenhum ônibus depredado.

Parte do custo com manutenção é destinado a reparos oriundos de vandalismo, em que as ocorrências mais comuns na folia foram:

- bancos quebrados/cortados;

- calha das luminárias arrancadas e jogadas fora;

- teto solar quebrado;

- vidros quebrados e ou janelas arrancadas;

- vazamento de ar no sistema de porta

- haste das portas tortas (as pessoas impedem que a porta se feche e afetam o sistema de acionamento)

- quebra dos tampões, vidros das janelas e portas dos ônibus

- pichações

Além do prejuízo financeiro, o ônibus fica parado em média um dia a cada ocorrência de vandalismo, porém prejudica a sequência operacional, acarretando atrasos, assim penalizando os usuários.