DF: Polícia Militar realizou 22 mil abordagens a ônibus em 2017

DF mantém queda no número de roubos em coletivo
O roubo a transporte coletivo, especialmente aos ônibus que circulam pelas regiões administrativas, caiu 14% em 2017, ou seja, 449 casos a menos do que em 2016. Parte dessa redução, deve-se ao trabalho direcionado às linhas com maiores incidências do delito. Pelo menos 22 mil abordagens foram feitas pela Polícia Militar, que usa a estratégia de parar os coletivos e revistar passageiros em atitude suspeita.

Com o mapeamento produzido pela Secretaria da Segurança Pública e da Paz Social, os batalhões conseguem, de forma minuciosa, perceber onde e quando estão acontecendo os assaltos. Essa foi a estratégia adotada em Ceilândia - a região que teve a maior queda nos roubos em coletivos. Os índices caíram 36%, passando de pouco mais de mil para 660 de 2016 para 2017.

“Com base nas manchas criminais, temos orientado nosso patrulhamento em paradas de ônibus e locais de grande movimentação, como a QNP 5 do P Norte”, explicou o comandante do 10º Batalhão, major Jonny Wilson.

Entre as medidas para conter o avanço dos assaltos a ônibus, o batalhão distribuiu os policiais em rondas das quatro horas da manhã até a madrugada do dia seguinte. Além do policiamento comum, equipes especializadas, como Grupamento Tático Operacional (Gtop), Patamo, Rotam e Motopatrulhamento Tático, foram importantes para a queda nos crimes. O 10º BPM disponibiliza o telefone 9.9965-8526 para denúncias diretas da população.

Segundo o major, geralmente os crimes são cometidos por pessoas que utilizam motos ou bicicletas, pois facilitam a fuga. Esse detalhamento é importante também para os investigadores da Polícia Civil. Utilizando o método das manchas criminais como forma de aprofundar no “modus operandi”, o delegado-adjunto da 24ª Delegacia de Polícia Civil, Bruno Rios Ehndo, passou a identificar o perfil dos criminosos e desencadear uma série de prisões. “Nós partimos do princípio de que se elucidássemos um único crime, os outros começariam a ser solucionados. Através do banco de imagens de suspeitos da PCDF nós conseguimos identificar uma quadrilha responsável por mais de vinte roubos somente na região de Ceilândia”, detalhou.

Somente a 24ª DP – Ceilândia conta com outras três delegacias – deflagrou, em 2017, duas operações que resultaram na localização de suspeitos acusados de integrarem uma organização criminosa. Desde então, de acordo com o delegado-chefe da unidade, não há registro de grupos que atuem de forma organizada na cidade.

Prevenção

Embora as polícias estejam trabalhando para evitar e prender quem comete assalto nos ônibus, a recomendação das corporações é para que os passageiros fiquem atentos. No caso das mulheres, é aconselhável deixar a bolsa à frente do corpo. Também deve-se evitar o manuseio de objetos de valor, como grande quantidade de dinheiro e aparelho celular.

No caso de perceber algo suspeito, a pessoa deve ligar imediatamente para a Polícia Militar, pelo telefone 190.

Fonte: Secretaria de Estado da Segurança Pública e da Paz Social do DF