DF: Metrô gasta menos com manutenção e número de falhas dispara em 2017

Com menos dias de funcionamento, o Metrô do Distrito Federal falhou mais de janeiro a novembro de 2017 do que em todo o ano de 2016. Um relatório obtido pelo G1 revela que o número de "incidentes notáveis" – quando os vagões param por mais de 15 minutos em horário de pico, ou 20 minutos em horário normal – aumentou 26,7% em relação ao ano passado.

Ao mesmo tempo, o investimento em manutenção caiu quase pela metade nos últimos anos. Em 2014, o valor gasto foi de R$ 87,7 milhões e houve 40 falhas. Em 2015, com um investimento de R$ 100,2 milhões, foram 48 falhas.

Em 2016, o recurso caiu quase pela metade em relação ao ano anterior. Foram R$ 51 milhões e 56 falhas. Já de janeiro a novembro de 2017, o valor investido foi de R$ 41,1 milhões e os trens pararam 71 vezes.

O diretor de operação e manutenção do Metrô-DF, Carlos Alexandre, nega que os investimentos na manutenção do Metrô tenham diminuído. Ele afirma que a empresa apenas reduziu "o custeio em manutenção". "O que mudou foi que os projetos de manutenção estão a cargo da equipe técnica do Metrô e não mais das empresas terceirizadas".

Alexandre entende que essa redução é benéfica para o Metrô e para o Estado. "A qualidade do serviço não mudou. É a mesma equipe", diz ele.

As principais falhas em 2017 foram:

1. Problemas no trem: 37 falhas

2. Problemas com Sinalização e controle de tráfego: 23 falhas

3. Erro Humano: 6 falhas

O diretor de operação e manutenção do Metrô atribui o aumento de falhas notáveis ao "sistema de comunicação obsoleto" dos vagões. De acordo com ele, a central demora mais para corrigir as falhas por não ser “notificada de possíveis erros”. "Esses sistemas não causam a falha, mas a prolongam. As falhas gerais diminuíram, na verdade, o que aumentou foi o tempo pra corrigir os problemas."

Alexandre afirma que o Metrô investiu R$ 19,2 milhões na modernizações de quatro sistemas de comunicação, que devem estar funcionando até maio de 2018. "Assim que eles forem implementados, o número de falhas notáveis vai diminuir", afirmou.

Preço das passagens

Desde 2 de janeiro deste ano, a passagem do metrô custa R$ 5 no Distrito Federal. A tarifa subiu R$ 1 no primeiro dia útil de 2017, valor que corresponde a uma alta de 25%. O governo disse na época que o reajuste foi necessário para continuar custeando a gratuidade de estudantes e pessoas com deficiência. A mudança causou protestos de passageiros.

Greve

Durante o ano de 2017, os metroviários do DF cruzaram os braços por 40 dias. Eles reivindicavam aumento salarial e novas contratações. A greve que começou no dia 9 de novembro só terminou no último dia 19.

O retorno ao trabalho foi em cumprimento a uma decisão do Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região (TRT-10), que determinou na segunda (18) o fim da greve no Metrô. Cerca de 160 mil pessoas usam o transporte todo o dia no DF.

A greve causou prejuízos de R$ 6,93 milhões durante o primeiro mês, até o último dia 12 – dado fornecido ao G1 pela própria empresa. A administração estima que 50 mil pessoas deixaram de usar os serviços todos os dias.

Já o gasto com funcionários foi menor, uma vez que o Metrô cortou o ponto dos servidores. Segundo a empresa, o governo deixou de pagar aproximadamente R$ 1 milhão por não trabalho. No mês passado, sem a greve, a folha de pagamento alcançou R$ 8,9 milhões.

Procurado na última semana, o Sindicato dos Metroviários disse lamentar o prejuízo, mas afirmou que ele foi causado pelo próprio governo.

Fonte: G1 DF