DF: Metrô não abre neste sábado; sindicato e empresa responsabilizam uns aos outros por estações fechadas

Moradores do Distrito Federal, que dependem do Metrô, encontraram as 24 estações fechadas na manhã deste sábado (18). A empresa afirma que os funcionários – que deveriam cumprir determinação da Justiça que obriga o funcionamento do serviço, mesmo que reduzido – não compareceram ao trabalho. Já o sindicato da categoria (Sindmetrô), disse ao G1, por telefone, que a decisão de não funcionar foi do Metrô.

A greve dos metroviários do DF começou no último dia 9. O Metrô diz que desde às 6h deste sábado as estações estavam prontas para abrir e 11 trens aguardavam no pátio da empresa, mas o Sindmetrô descumpriu a decisão judicial. Cartazes com o aviso foram colocados nos portões.

"Sem o número mínimo de empregados, que garanta a segurança do sistema e dos usuários, não há como funcionar", disse a empresa, por meio de nota enviada ao G1. Ainda segundo o Metrô, o prejuízo com a greve passa de R$ 200 mil por dia.

Os funcionários pedem reajuste salarial de 8,4%, com base na variação do índice INPC, e a contratação de 631 pessoas aprovadas no último concurso – 331 de forma imediata e 300 de cadastro de reserva. O governo diz que não há como dar o reajuste.

Ainda não há definição sobre a abertura das estações no domingo (19). O Metrô afirma que funcionários administrativos e com cargos de chefia têm feito trabalhos operacionais desde o começo da greve, mas que não pode mantê-los nessas funções em tempo integral.

Durante a greve, o Metrô tem rodado com 16 dos 24 trens nos horários de pico – entre 6h e 10h, e entre 16h30 e 20h30. Nos demais horários, as 24 estações ficam fechadas. Cerca de 170 mil pessoas usam o serviço todos os dias no Distrito Federal.

Fonte: G1 DF