Goiânia: Pesquisa Origem e Destino 2017 da RMTC é apresentada em evento

HP Transportes - 20137
Por Rafael Martins

Intitulada Novo Plano Operacional - NPO 2017, o raio x inédito sobre os deslocamentos por ônibus na Rede Metropolitana de Transporte Coletivo - RMTC foi apresentado em evento na Organização Jaime Câmara nesta quinta-feira (28) por Arlindo Fernandes da Oficina Consultores, empresa contratada pelo RedeMob Consórcio.

Arlindo Fernandes - Oficina Consultores

O NPO é um estudo técnico que versa sobre a demanda de viagens de transporte coletivo e as necessidades da população, a estrutura da rede de transporte metropolitano e oferta dos serviços, e os fatores que incidem sobre a qualidade, desempenho, produtividade e economia do transporte.

Fernandes explicou que o estudo tem por objetivo atualizar a RMTC às mudanças de comportamento da demanda ocorrida nos últimos anos, atender as necessidades locais de desenvolvimento urbano dos municípios, melhorar a qualidade dos serviços, preparar condições para o fortalecimento da RMTC, ampliar a demanda atendida, e gerar economia para reinvestir em qualificação do transporte.

A pesquisa

A elaboração da Pesquisa Origem e Destino (OD) 2017 da RMTC foi dividida em etapas para a obtenção da matriz OD das viagens por ônibus na Grande Goiânia:

- entrevistas com os usuários em todos os terminais metropolitanos, inclusive no acesso das estações do Eixo Anhanguera e pontos de parada das extensões;

- coleta de dados do Sitpass e monitoramento da frota para obter a movimentação de usuários que não realizam a integração nos terminais;

- contagem de quantidade de embarques realizados por ônibus nos terminais em cada viagem através de observação das imagens das câmeras videomonitoramento;

- pesquisa de frequência e tempo de viagem no Eixo Anhanguera.

A partir destas informações de deslocamento dividiu-se a RMTC em 544 zonas OD, agrupadas posteriormente em mesozonas e macrozonas para melhor compreensão, análise e simulação dos dados obtidos.

Zonas OD RMTC

Macrozonas RMTC

Simulação RMTC

Diagnóstico da RMTC

Dados de 2016 revelam que a Grande Goiânia possui 2,4 milhões de habitantes. A partir do centro da capital, a RMTC atende num raio de até 46 km. Uma rede de transporte tão extensa é impactada pelo aumento populacional das cidades e o crescimento desordenado (espraiamento urbano) com reflexos na política tarifária, ainda mais nos moldes vigentes da RMTC em que se cria os benefícios tarifários, mas não há uma fonte de custeio para sua sustentação, além de todas as despesas para fazer esse sistema mover serem custeados unicamente pela tarifa.

Com o crescimento desordenado tanto em Goiânia, quanto nos municípios da região metropolitana, a rede de transporte é ampliada compulsoriamente, já que o primeiro serviço público que chega a estas localidades é o ônibus. Ampliando as redes de atendimento do transporte metropolitano, porém com número cada vez menor de passageiros, resulta-se em baixo IPK que, por sua vez, força para cima o valor da tarifa.

Se não tiver densidade na região, não tem transporte, e se há o transporte o seu custo é caro. É preciso refletir: até quando o transporte metropolitano com sua tarifa única vão suportar arcar com esse custo social?

Expansão urbana - Região Metropolitana de Goiânia

O levantamento feito mostra que a população da Grande Goiânia realiza quase 600 mil viagens nos dias úteis. Mais de meio milhão de pessoas passam por dia pelos 21 terminais metropolitanos e estações do Eixo Anhanguera.

Perfil demanda RMTC

Apesar disto, a demanda sofre fortes variações ao longo do dia, com retração de 40% em comparação ao pico da manhã (maior fluxo) e queda de 80% em relação ao pico da tarde. Um dos fatores para o transporte "morrer" após às 20h é a insegurança.

Demanda x faixa horária

O crescimento mais acentuado das viagens nos picos do que no total do dia representa um maior desequilíbrio econômico do sistema na medida em que a demanda dos horários de pico condiciona o dimensionamento da frota necessária, portanto de custos, enquanto a demanda dia representa a receita global do serviço. Assim haverá proporcionalmente um crescimento maior da frota necessária, do que da receita global.

Conforme o Pense Mobilidade revelou em abril, em nove anos de concessão a RMTC teve uma queda de 26% da demanda. De 2012 a 2016, a rede metropolitana de transporte perdeu cerca de 5 milhões de passageiros mensais.

Os números do diagnóstico trazem um cenário detalhado da queda de demanda por faixa horária/ano.

Demanda transportada - dias úteis

Demanda transportada - sábado

Demanda transportada - domingo

Origem e destino RMTC

Arlindo Fernandes - Oficina Consultores

Os mapas a seguir mostram a distribuição de viagens de origem e destino dentro do contexto metropolitano, e posteriormente os estudos permitiram uma análise dos dados da matriz de origem e destino das viagens internas aos municípios.

A dispersão das origens de viagens na RMTC atribui-se à questão de ocupação do território nas cidades que integram a região metropolitana, dado o crescimento a área urbana de 32% em 16 anos. Os dados revelam que são realizadas 128 mil viagens pelo transporte coletivo na hora pico da manhã.

OD RMTC - pico manhã

Se as origens são dispersas no território, o destino das viagens é mais concentrado notadamente no centro-sul de Goiânia. A partir disto chama-se a atenção do elevado nível de pendularidade dentro da Grande Goiânia, por motivos de trabalho e estudo. Apesar do desenvolvimento de algumas cidades, como Aparecida de Goiânia, todas as cidades ainda guardam forte relação metropolitana com a capital.

Origem e destino por cidades

Das 128 mil viagens realizadas por transporte coletivo na RMTC, 64% dão-se em Goiânia. Verifica-se que a maior demanda por transporte encontra-se na periferia da capital, convergindo-se para o centro-sul da cidade. Adiante será apresentado que estas áreas de demanda são as mais carentes com relação a oferta de serviço de transporte coletivo.

OD Goiânia - pico manhã

É evidente a grande concentração de demanda no Eixo Anhanguera, com quase dez mil pass./hora/sentido.

Carregamento Goiânia - pico manhã

Aparecida de Goiânia responde por 21% das viagens por ônibus no pico da manhã. Ao contrário da capital, a distribuição da demanda por transporte no território é mais homogênea, porém apesar de contar com distritos industriais, os destinos ainda são para Goiânia.

OD Aparecida de Goiânia

Nota-se os carregamentos expressivos internos em Aparecida para o centro e distritos industriais, com destaque para a demanda diametral no sentido oeste-leste que é atendido pela linha 031.

Carregamento Aparecida de Goiânia - pico manhã

Com quase seis mil viagens no pico, Trindade é uma das cidades da Grande Goiânia que conta com uma rede interna de linhas alimentadoras ancorada num terminal de integração (Terminal Trindade) atendido pela extensão do Eixo Anhanguera. 

Além disso o T. Vera Cruz atende os bairros do núcleo urbano conhecido como Trindade II, distribuindo esta demanda para a linha operada pela Metrobus.

OD Trindade

Ao analisar o fluxo de passageiros, percebe-se que demanda segue expressiva do Terminal Vera Cruz até o Terminal Praça A, que têm linhas para a parte centro-sul de Goiânia.

Carregamento Trindade - pico manhã

Assim como Trindade, a cidade Senador Canedo conta com rede própria de transporte e é atendido pela extensão do Eixo Anhanguera, com alguns bairros tendo linhas partindo direto do Terminal Novo Mundo, em Goiânia. Conforme o mapa abaixo, a demanda é concentrada em todo o núcleo urbano da cidade.

OD Senador Canedo

Com a extensão do Eixo Anhanguera, nota-se um grande carregamento de passageiros/hora/sentido até o Terminal da Bíblia (em que há linhas para a parte sul da capital) e centro de Goiânia. Em menor grau, percebe-se um carregamento relevante no traçado da linha 283 no eixo GO-020.

Carregamento Senador Canedo - pico manhã

Goianira passou a contar com rede própria estruturada em terminal de integração (Terminal Goianira) depois da Extensão do Eixo Anhanguera. Antes o atendimento em 90% da cidade era feito pela extinta linha 139, e apenas uma linha circular saindo do terminal para o Pq. Los Angeles.

O adensamento populacional ao longo da GO-070 exigiu com a extensão do Eixo Anhanguera a criação de pontos de conexão com linhas de atendimento aos bairros próximos à rodovia, integrando-os ao Eixo.

A demanda de Goianira segue com elevado carregamento do T. Goianira até o Terminal Praça A, por este ser um terminal de distribuição para os demais setores de Goiânia.

Carregamento Goianira - pico manhã

A seguir, os dados das demais cidades atendidas pela RMTC

Hidrolândia e o distrito de Nova Fátima

OD Hidrolândia

Região Norte composta por Nerópolis (que possui rede própria e terminal de integração), Santo Antônio de Goiás e Nova Veneza (linhas integradas ao T. Dergo) e Brazabrantes (linha integrada ao T. Goianira)

OD Região Norte RMTC

Região Nordeste composta por Bonfinópolis e Goianápolis (linhas integradas ao T. Novo Mundo) e Terezópolis de Goiás (linha integrada ao T. Bíblia)

OD Região Nordeste RMTC

Os estudos permitiram uma análise da distribuição das viagens por transporte coletivo, por município de origem conforme a sua distribuição interna e para outros municípios.

Proporção de viagens internas x externas

A análise dos tipos de fluxo também foram objeto do levantamento, em que revelou-se um grande número de deslocamentos perimetrais e locais contrapondo o desenho da rede majoritariamente radial.

Fluxograma de deslocamento - Goiânia

Conclusões do diagnóstico

Planejamento transporte

Índice de integração

Índice de produtividade da RMTC

O resultado da dispersão das origens e concentração dos destinos é demonstrado abaixo

Embarque RMTC - pico manhã

Desembaque RMTC - pico manhã

Um dos problemas verificados no estudo está na oferta de ônibus da RMTC. 

As áreas periféricas (em cores mais escuras) são as áreas mais sensíveis, porém onde concentra-se a demanda da RMTC. As áreas centrais (em cores claras) indicam a oferta de transporte, justamente por serem polos de atração das viagens de diversas partes da rede.

Relação entre oferta e capacidade