DF: Pista abaixo do balão do Torto terá mais uma faixa interditada

Pista abaixo do balão do Torto terá mais uma faixa interditada
A partir de quinta-feira (5), apenas duas faixas de rolamento abaixo do balão do Torto estarão livres para quem segue pela Estrada Parque Indústria e Abastecimento (Epia) em direção ao Plano Piloto. A nova alteração deverá permanecer até o início de dezembro.

A intervenção no trânsito é necessária para dar continuidade à construção de um viaduto, parte da Ligação Torto-Colorado.

“Chegamos a um estágio da obra de ligação Torto-Colorado em que precisaremos intervir mais diretamente no trânsito”, explica o superintendente de Trânsito, do Departamento de Estradas de Rodagem do Distrito Federal (DER-DF), Cristiano Cavalcante.

Desta vez, será preciso utilizar a faixa da direita para a construção dos pilares centrais do viaduto.

Para evitar que o afunilamento da pista provoque transtornos significativos no fluxo de veículos, o DER conta com a colaboração dos motoristas.

Segundo Cavalcante, a alternativa para que não se formem congestionamentos é pegar a via da direita (agulha) antes de chegar ao balão e seguir para o Plano Piloto.

No caso de caminhões, no entanto, essa rota será obrigatória, uma vez que eles não poderão passar por baixo do balão. “Teremos uma limitação de altura dos veículos”, justifica o superintendente. O ponto estará devidamente sinalizado, e os condutores serão orientados.

Em 22 de setembro, duas faixas já tinham sido interditadas para essa finalidade.

Trevo de Triagem Norte e Ligação Torto-Colorado

O Trevo de Triagem Norte é composto por 16 obras, entre pontes, viadutos e túneis. O objetivo é distribuir o fluxo de veículos com destino ao Plano Piloto, ao Eixão Norte e Sul, à W3, aos Eixinhos Leste e Oeste e à L2.

Somadas às passagens previstas na Ligação Torto-Colorado — construção de uma pista marginal à DF-003 e de novos acessos aos condomínios —, serão 28 intervenções.

As benfeitorias vão custar R$ 207 milhões — R$ 146 milhões do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), R$ 51 milhões de contrapartida do governo de Brasília e R$ 10 milhões da Agência de Desenvolvimento do DF (Terracap).

Fonte: Agência Brasília