DF: Ministério Público e Polícia Civil deflagram segunda fase da Operação Checklist

A 2ª Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público e Social (Prodep) e a Delegacia de Repressão a Crimes contra o Patrimônio Público (Decap) deflagraram, na manhã desta quinta-feira, 5 de outubro, a segunda fase da Operação Checklist, que apura corrupção na fiscalização de transporte coletivo rural. Foram cumpridos quatro mandados de prisão temporária e de busca e apreensão e um de condução coercitiva.

São alvos da operação dois servidores do terminal do Gama, uma presidente, um despachante e um funcionário de cooperativa. A ação conjunta investiga a cobrança e o recebimento de valores por parte de servidores públicos da Secretaria de Mobilidade (Semob) para aprovar a vistoria de veículos de transporte coletivo rural irregulares ou com defeito.

Segundo o promotor de Justiça Fábio Nascimento, a segunda fase tem a finalidade de “melhor evidenciar os fatos investigados, uma vez que se busca recuperar o produto do crime e apreender objetos relacionados à prática das condutas apuradas”.

A primeira fase da operação foi deflagrada em 1º de setembro. Foram cumpridos 10 mandados de prisão temporária, 2 de condução coercitiva e 16 buscas e apreensões. Entre os itens apreendidos estão duas armas de fogo, R$ 10.770 em espécie e um veículo, que, supostamente, foi dado como forma de pagamento.

Segundo as investigações, o esquema fraudulento concedia o selo de vistoria de forma ilegal a veículos de transporte coletivo de cooperativas por meio de pagamento de propinas de particulares interessados no serviço. O selo de vistoria é indispensável para que veículos possam circular regularmente no Distrito Federal. Cada vistoria era feita mediante o pagamento de R$ 400 a R$ 800. O valor dependia da situação do ônibus. “Em um dos casos, um veículo estava com problemas no elevador e um dos envolvidos falou que, para solucionar, o elevador poderia ser retirado”, exemplificou o promotor de Justiça Fábio Nascimento.

Fonte: MPDFT