Goiânia: Aparecida cria Comissão de Estudos da Rede Aparecida de Transporte Coletivo

Terminal Garavelo
O vice-prefeito e secretário de Governo, Veter Martins, no exercício do cargo de prefeito da cidade, criou nesta sexta-feira, 22, por meio do Decreto nº 198, a Comissão de Estudos da Rede Aparecida de Transporte Coletivo. A comissão será presidida por ele e composta ainda por membros da Casa Civil; secretarias de Infraestrutura, Fazenda, Planejamento e Regulação Urbana, Projetos e Captação de Recursos, Desenvolvimento Econômico, Mobilidade e Defesa Civil, Ciência Tecnologia e Inovação; e da Câmara Municipal de Vereadores.

O presidente da comissão explicou que o objetivo é promover estudos, levantamentos e proposições relativas à melhoria do transporte coletivo no município. “Vamos usar a experiência de morar aqui, de conhecer as necessidades dos moradores, para que possamos apresentar soluções que cheguem o mais próximo das necessidades do usuário. Temos a obrigação, enquanto gestores, de buscar o melhor para a população e foi isso que o prefeito Gustavo Mendanha nos solicitou”, afirmou o prefeito em exercício.

Ex-secretário de Trânsito de Aparecida, o vereador Valdemir Souto, que representou a Câmara durante a reunião, destacou que embora o crescimento de Aparecida seja visível, existe ainda uma disparidade entre a demanda dos moradores e a oferta do serviço pela CMTC, que gerencia o transporte público nos 18 municípios da grande Goiânia.

“Ainda existe a visão de que somos uma cidade dormitório. Mas a realidade hoje é outra. Precisamos de mais linhas saindo dos bairros de Aparecida e circulando dentro da própria cidade. Aparecida tem suas peculiaridades, que precisam ser respeitadas, então a comissão será muito importante pra apontar essas necessidades“, enfatizou.

O secretário executivo de Mobilidade da cidade, que na ocasião representou o titular da pasta, Arnaldo Leite, reiterou a necessidade de uma reavaliação da disponibilidade de linhas no município. “Hoje, 60% da população usuária de transporte coletivo em Aparecida de fato sai para outros municípios, mas 40% circula dentro da cidade, e muitas vezes precisam fazer rotas enormes para locais muito próximos, pela falta de linhas específicas”, explicou Luziano da Costa Vale, reforçando que a maioria das linhas internas são circulares, o que não otimiza o tempo da população.

População esta que em poucos anos recebeu a Universidade Federal de Goiás (UFG), Instituto Federal de Goiás (IFG), aeroporto executivo, eixos estruturantes, pólos industriais e logísticos e precisam transitar entre esses novos pontos, para trabalhar e estudar. Daí a necessidade de uma modificação na forma de atendimento do transporte coletivo local.

“Nosso papel será diminuir a distância entre o que é oferecido e a realidade da população, garantindo que os projetos para a cidade sejam viáveis. Porque hoje, quando essas duas coisas se encontram, nem sempre é satisfatório”, frisou o secretário de Fazenda, André Luiz Ferreira da Rosa, que também compõe a comissão.

O estudo preliminar das principais demandas dos usuários do transporte coletivo em Aparecida já foi elaborado pelas equipes técnicas da Prefeitura. “Uma nova reunião da comissão, agora já instituída, será agendada, provavelmente na semana que vem, para apresentar esses dados e iniciar o trabalho da equipe”, afirmou Veter Martins.

Fonte: Prefeitura de Aparecida de Goiânia