DF: Rodoviários realizam paralisação na quinta (21) e anunciam greve para segunda (25)

Por Rafael Martins

O Sindicato dos Rodoviários anunciou para esta quinta-feira (21) a paralisação geral dos serviços de transporte, em que os ônibus não sairão das garagens. “Se até quinta-feira os patrões nos apresentarem uma proposta digna, não realizaremos a paralisação e nem será necessária a greve”, explica o presidente do Sindicato, Jorge Farias.

Neste domingo está prevista uma assembleia para decretar greve geral a partir de segunda-feira (25). De acordo com a entidade, "a greve é uma demanda da própria categoria, que se mostrou mobilizada no decorrer do desgastante processo de negociação".

Entenda

Acabou sem acordo a última audiência de conciliação entre as empresas de ônibus e o Sindicato dos Rodoviários sobre o reajuste salarial. O encontro foi realizado na manhã desta segunda-feira (18), no TRT, em que as partes iriam manifestar sobre a proposta apresentada pelo Tribunal - que previa 4,75% de reajuste salarial, 5% de aumento no ticket alimentação, 5,5% na cesta básica e 13,55% nos planos de saúde e odontológico.

Os rodoviários reivindicam reajuste de 6% − em julho foi garantida a reposição de 4%, com a promessa de chegar aos 10%.

A Associação das Empresas Brasilienses de Transporte Urbano de Passageiro (Transit) diz que a proposta dos rodoviários de 10% de reajuste é inviável; pois somando todas as reivindicações é de 46%. Em números, isso significa um aumento de R$ 15 milhões por mês na conta das concessionárias, sendo impossível fazer uma contraproposta nestes termos. Outro agravante é a dívida milionária que o GDF tem com as empresas de ônibus.

“A greve não está descartada”, afirma o dirigente do Sindicato dos Rodoviários, José Carlos da Fonseca. Segundo ele, a direção do Sindicato se reunirá para definir os rumos da mobilização dos rodoviários sobre o reajuste salarial.

Dissídio

Frustradas as tentativas conciliatórias, o TRT concedeu o prazo de 48h para o Sindicato apresentar defesa nos processos referentes às empresas. Dentro deste prazo será analisado o pedido de reconsideração apresentado pelo Sindicato dos Rodoviários acerca da liminar deferida.

Posteriormente os autos serão remetidos à Procuradoria Regional do Trabalho.

Os dissídios coletivos de greve deverão ser distribuídos para um desembargador relator, que passará a conduzir o processo até seu julgamento pela 1ª Seção Especializada do Tribunal. Durante a tramitação do processo, contudo, as partes podem continuar negociando sem a mediação do TRT e, se chegarem a um acordo, pedir a homologação ao Tribunal.