Goiânia: Secretário diz que obras paradas do BRT causam prejuízo de R$ 1,3 mi por mês

O secretário municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos, Fernando Cozzetti informou na manhã desta quarta-feira (23/8) que as obras paralisadas do BRT que vai ligar as regiões norte e sul de Goiânia custam um total de R$ 1,3 milhão por mês aos cofres públicos.

Segundo informação do auxiliar do prefeito Iris Rezende (PMDB), deste montante, R$ 1 mi é custeado pela prefeitura e R$ 300 mil tem sido bancado pela construtora detentora da licença para a obra, mas que pode ser posteriormente cobrado da prefeitura pela empresa.

O secretário esteve no plenário da Câmara Municipal de Goiânia a atendendo a requerimento do vereador Delegado Eduardo Prado (PV) para prestar explicações sobre o atraso nas obras.

Aos vereadores, ele disse ainda que o novo prazo para conclusão do BRT é final de 2019, “caso o processo seja destravado junto à Caixa Econômica Federal”.

Segundo o secretário, o banco, que custeia grande parte da obra, não concorda com o valor total orçado da obra de R$ 300 milhões, mas a prefeitura está em negociação para a retomada do repasse de recursos federais.

As obras do BRT foram paralisadas após suspensão do repasse de R$ 10 milhões por parte da Caixa ao consórcio formado pelas empresas EPC e WGV. Os recursos foram retidos após apontamentos da Controladoria Geral da União (CGU) e do Tribunal de Contas da União (TCU) de que itens e materiais estariam acima e outros abaixo do preço.

Fonte: Jornal Opção