Goiânia: Empresas ainda esperam recálculo do reajuste da tarifa de ônibus

A tarifa de ônibus na Região Metropolitana de Goiânia pode aumentar. O governo estadual iniciou neste mês de agosto o pagamento da gratuidade relativa ao Passe Livre Estudantil, mas isto não é garantia de que o valor continue em R$ 3,70. O Sindicato das Empresas de Transporte (SET), solicitou a Companhia Metropolitana de Transportes Coletivos (CMTC) que faça um recálculo tarifário. A CMTC ainda não deu resposta concreta.

O presidente do SET, Décio Caetano, compareceu nesta sexta-feira (25) a Câmara Municipal de Goiânia e participou de reunião da Comissão Especial de Inquérito que analisa o Transporte Coletivo na capital. Ao Diário de Goiás, Décio Caetano explicou que o Estado iniciou o processo de pagamento do Passe Livre Estudantil.

Ele lembrou que no primeiro semestre a previsão era de um aumento de 8% na tarifa. A passagem subiria de R$ 3,70 para R$ 4,00. Nas vésperas da reunião da Câmara Deliberativa do Transporte Coletivo (CDTC) que a atualização tarifária seria discutida, o governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), disse que o Estado estaria custeando 100% da gratuidade relativa ao Passe Livre Estudantil para que não houvesse reajuste.

O Passe Livre corresponde a cerca de 5% do valor total da passagem, ou seja, ainda restam outros 3% até se chegar aos 8% previstos de reajuste. Por conta desta diferença e devido ao aumento no preço dos combustíveis, as empresas solicitaram um novo cálculo tarifário, ou seja a expectativa colocada pelo governador pode ser frustrada e pode sim haver um aumento neste ano.

“O que o governo do Estado assumiu como compromisso, já cumpriu neste mês de agosto, com os estudantes. Agora, existe uma questão de que a tarifa era para ter sido reajustada em fevereiro. Chegou-se naquele percentual de pouco mais de 8% de aumento, que a tarifa deveria ir para R$ 4, e ela só teve efetivamente um impacto neste mês de agosto, com o Passe Livre Estudantil, que dá em torno de 5%. O que nós pedimos à CMTC há mais de um mês é que faça o recálculo da tarifa, considerando, abatendo, deduzindo esse valor que o Estado está subsidiando aos estudantes a partir de agora e chega a um novo valor da tarifa. Ai sim, a Câmara Deliberativa possa definir se há um novo valor para a tarifa, outro tipo de compensação da tarifa”, afirmou. Décio Caetano.

O presidente do SET acredita que o valor ideal para cobrir os custos seria acima de R$ 4,00, o valor da passagem. O Diário de Goiás procurou a assessoria de imprensa da CMTC que destacou que ainda não há uma resposta. A assessoria informou que precisa aguardar a CDTC autorizar a companhia a fazer o recálculo.

Diferente do que informou a assessoria de imprensa da CMTC, não há necessidade de se pedir autorização da CDTC para fazer qualquer tipo de cálculo. A Companhia Metropolitana é o órgão técnico, responsável por fazer os cálculos, que são remetidos posteriormente a Agência Goiana de Regulação e finalmente a Câmara Deliberativa que baseado nos cálculos da CMTC, pode decidir por um aumento tarifário. A CDTC até o momento não recebeu nenhuma informação da CMTC.

Fonte: Diário de Goiás