Anápolis: CMTT instala guichê no Terminal Urbano

Por Rafael Martins

A Prefeitura de Anápolis e a Companhia Municipal de Trânsito e Transportes (CMTT) inauguram nesta quinta-feira (27) um posto de atendimento da autarquia no Terminal Urbano. O local fica no prédio do posto de recarga dos cartões da Urban.

Segundo a administração municipal, o objetivo principal é levar à população, de maneira descentralizada, todos os serviços que são oferecidos pela CMTT nas unidades do Rápido e Brasil Park Shopping.

Serão oferecidos os serviços de requerimento do Cartão do Idoso, o Cartão do Portador de Necessidades Especiais, o Cartão de Gratuidade, Serviços de Engenharia, Recursos de Trânsito, dentre outros. Também será possível levar informações ao usuário, bem como receber sugestões e reclamações, sempre das 8h às 18h.

Lojistas

O impasse envolvendo os permissionários do Terminal Urbano e a Urban pode ter chegado ao fim.

De acordo com a Prefeitura, o prefeito Roberto Naves (PTB) interveio pessoalmente na questão e deve anunciar nesta quinta o entendimento firmado entre a Urban e os permissionários que realizam o comércio nas dependências do Terminal Urbano, para que os pequenos comerciantes possam continuar atuando naquelas dependências.

A queda de braço entre os boxistas e a Urban começou no apagar de luzes do mandato do ex-prefeito João Gomes, quando no dia 29 de dezembro de 2016, publicou o decreto no qual revogou a autorização de uso de bens públicos localizados no Terminal Urbano.

O ato administrativo foi justificado com base no contrato de concessão entre a Prefeitura e a Urban. Nele, estabelece que a competência de administrar, manter e operar o Terminal, inclusive com direito real de uso e exploração do comércio é da empresa de ônibus.

A revolta dos comerciantes começou quando a empresa anunciou que iria cobrar uma taxa referente aos custos do Terminal que deveriam ser pagas integralmente por eles, mas os valores não agradaram a maioria que consideraram o preço exorbitante. Ao todo o Terminal têm 80 espaços comerciais de diversos tamanhos.

Insatisfeitos com a cobrança a ser feita pela Urban, os lojistas recorreram ao legislativo municipal, que buscaram o chefe do Executivo para solucionar o impasse.