Goiânia: Reunião vai discutir repasse de terminais de ônibus para prefeituras

O repasse da administração dos terminais de ônibus de Goiânia e das cidades da rede metropolitana para as prefeituras será discutido na próxima segunda-feira. A ideia é que o valor economizado pelas empresas seja investido em melhorias para o usuário, como implantação de mais linhas e aquisição de veículos novos.

O encontro dos membros da Câmara Deliberativa de Transportes Coletivos (CDTC) está marcado para as 16 horas, na Câmara Municipal de Vereadores de Goiânia. O repasse da administração ainda é um tema novo na CDTC, mas ganha força e é defendido pela promotora de Justiça, Leila Maria de Oliveira.

Presidente da CDTC e prefeito de Aparecida de Goiânia, Gustavo Mendanha entende que existe viabilidade para essa mudança, mas precisa ter a discussão sobre o assunto esgotada. “Ainda é uma sugestão, que será bastante discutida. Precisamos ouvir todos os envolvidos”, disse Mendanha.

Nos bastidores, o fato de apenas em Goiás existir terminais administrados pelas empresas de ônibus dá força para que a mudança aconteça. Mas antes disso, cada prefeitura precisa aceitar a mudança. Com isso, assumir custos com manutenção, limpeza e organização dos terminais.

Para que essa mudança ocorra, é preciso haver uma alteração no contrato, por meio de um aditivo. Essa mudança necessita do aval e da assinatura de todos os envolvidos. Até lá, os terminais continuam sob a responsabilidade das empresas.

Um levantamento dos custos de cada terminal, separadamente, foi solicitado. Assim que estiver pronto, deverá ser repassado para os prefeitos. Depois disso, a discussão deverá ser aprofundada.

Presidente da Companhia Metropolitana de Transporte Coletivo (CMTC), Fernando Olinto Meirelles ressalta que, antes desse debate, é preciso concluir outros assuntos, como o subsídio anunciado pelo governo estadual para que a passagem não tenha aumento. Para Meirelles, depois disso, outros assuntos devem ganhar destaque, entre eles a possibilidade do repasse da administração dos terminais.

“Mas é preciso deixar claro que isso só será possível se todos os envolvidos estiverem de acordo. A gente precisa conversar, discutir e entender se seria a melhor opção para garantir as melhorias”, diz Meirelles.

Vereador Clécio Alves (PMDB) participou do encontro na manhã desta sexta-feira no gabinete do prefeito de Aparecida de Goiânia, onde se falou sobre o assunto. “Essa parece ser uma boa sugestão, mas ainda não tem nada definido. Para que haja a mudança, todos deverão aceitar e acatar as responsabilidades. Não queremos que o serviço sofra mudança e, depois, seja entregue com qualidade ruim para a população.”

Fernando Meirelles diz que, depois de ter os dados em mãos, os prefeitos deverão discutir e analisar suas contas. Por causa da crise que a maioria dos municípios passa, ele entende que poderá haver resistência. “Mas a melhoria do serviço está em primeiro lugar. Se for o melhor, poderá ser acatado. Se não for, pensamos em outras alternativas.”

Gastos

O presidente da CDTC, Gustavo Mendanha disse que deverá solicitar na reunião de segunda-feira, que as empresas apresentem as planilhas de custos dos últimos anos. Ele alega que, desde que assumiu a presidência da câmara, não teve acesso às informações. “Não é dúvida sobre as informações repassadas pelas empresas, mas queremos que o processo seja o mais transparente possível. Queremos que todo o assunto seja amplamente conhecido e discutido por todos.”

A reunião da CDTC na câmara de vereadores é aberta e cada participante poderá apresentar seu assunto para discussão. Além do Ministério Público, vereadores e prefeitos das cidades da região metropolitana e representantes das empresas participam do encontro.

Fonte: O Popular