Goiânia: BRT seguirá traçado original no Centro

Rápido Araguaia - 50486
Por Rafael Martins

As obras do BRT Norte-Sul no centro de Goiânia seguirão o projeto e traçado originais, e as intervenções no trecho do centro histórico estão previstas para 2018. O custo da obra está avaliada em R$ 242 milhões. 

Já no Centro de Goiânia, haverá pouca alteração no espaço urbanístico. As paradas serão mantidas do lado direito, no acostamento da pista, que terá o mesmo concreto rígido, sistema de drenagem e fiações subterrâneas dos outros trechos.

Em fevereiro deste ano na Câmara Municipal durante a prestação de contas, o prefeito Iris Rezende (PMDB) chamou a obra de "trambolho de concreto" e classificou o modal de transporte como uma violência ao centro histórico de Goiânia na Avenida Goiás. 

No mês seguinte, o parlamento municipal realizou uma audiência pública para discutir o imbróglio; e os vereadores decidiram que o projeto devia seguir o traçado original. Pela proposta de Iris, o BRT seria desmembrado em dois: o ramal norte saindo do T. Recanto do Bosque até o Terminal Rodoviária; e o ramal sul do T. Cruzeiro até a Praça do Cruzeiro.

Em março a superintendente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) em Goiás, Salma Saddi, classificou com imprudente a sugestão de Iris, de alterar o trajeto do BRT – Norte Sul. Segundo ela, as alterações solicitadas pelo Iphan ao Consórcio que está construindo a obra foram atendidas, e que nada mais impede a implantação do sistema BRT no Eixo Norte-Sul.

A previsão é que, em março de 2019, todo o percurso de 21 quilômetros em Goiânia e os sete quilômetros restantes, até o município vizinho de Aparecida, receba mais de 120 mil usuários de ônibus por dia e ligue as regiões Norte e Sul, oferecendo veículos articulados, paradas em 39 plataformas e seis terminais de integração. O trecho mais adiantado, o Norte, entre os terminais Rodoviário e Recanto do Bosque, deve ser o primeiro a entrar em funcionamento com estimativa para o final deste ano.