Goiânia: Falta recursos e fiscais na CMTC

O cumprimento das recomendações expedidas pelo Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO) pode ser dificultado pela falta de recursos e de fiscais por parte da Companhia Metropolitana de Transportes Coletivos (CMTC). Atualmente, a companhia têm apenas 17 fiscais concursados e sem recursos para contratar novos trabalhadores. O número é menor até que a quantidade de cidades no sistema (18).

Além disso, não há verba para a manutenção e limpeza dos abrigos nos pontos de ônibus. Para se ter uma ideia, dos mais de 6.100 pontos em toda a região metropolitana de Goiânia, apenas 3.317 possuem abrigos. Há mais de 1.700 locais que não possuem nem sequer uma identificação de que se trata de um ponto e mais de 1.000 em que o usuário identifica o espaço por uma pintura preta e amarela em postes de iluminação.

Nos últimos anos não foram abertas linhas de crédito com a União referente aos abrigos do transporte coletivo e a CMTC não possui recursos próprios para arcar com a melhoria. Hoje, a companhia vive com cerca de R$ 400 mil mensais, provenientes de 1% da arrecadação total do sistema de transporte e repassado pelo sindicato que representa as empresas.

Em 2015, houve deliberação da CDTC para aumentar esse porcentual para 2%. No entanto, o valor nunca foi pago pelas concessionárias que alegaram ser necessário um aditivo no contrato para que isso fosse modificado. A mudança teria de ser um acordo bilateral e as empresas não aceitaram. A CMTC recorreu à Justiça para receber o valor, mas a ação ainda não foi julgada.

Fonte: O Popular