Goiânia: Prefeitura estuda corredores preferenciais à esquerda das avenidas

Viação Reunidas - 30099
Por Rafael Martins

A Prefeitura de Goiânia estuda implantar os corredores preferenciais do transporte coletivo à esquerda da via, onde for possível. Hoje apenas a Avenida Goiás, no centro histórico, tem essa configuração.

De acordo com a coluna O Giro, do jornal O Popular, esta possibilidade está sendo analisada pelo Paço graças aos distratos dos contratos de construção dos corredores preferenciais das avenidas T-9, T-63, 85, Independência e 24 de Outubro; ocorrido depois de questionamentos da Controladoria Geral da União; já que as obras dos corredores contam com verbas federais.

Agora, todo o processo de reestruturação viária para o transporte coletivo volta a estaca zero; em que a CMTC terá de refazer as licitações sendo uma para a obra, e outra para a elaboração dos projetos executivos em que as mudanças poderão ser incluídas. “Temos este pensamento, mas é preciso verificar em quais corredores do transporte coletivo há espaço para isso”, disse o secretário de Infraestrutura, Fernando Bertoldi, ao Giro.

Com as alterações estudadas, ainda não verificou-se se haverá mudança no tipo da frota, ou seja, se haverá ônibus com portas em ambos os lados; ou se a frota será mantida com embarque e desembarque de passageiros à direita com plataformas no canteiro central a exemplo do que existe hoje na Avenida Goiás, no trecho entre a Praça Cívica e a Praça do Trabalhador. Entretanto, o contrato de concessão prevê o uso de ônibus articulados nos corredores preferenciais.

Com as novas licitações, todo o processo deve ser concluído em até seis meses, se não houver nenhuma contestação. Os recursos serão provenientes dos R$ 149 milhões firmados em convênios com o Palácio do Planalto.

Corredor T-7

Está previsto para até o final de abril, a retomada das obras do corredor de ônibus da T-7. A afirmação é do secretário municipal de Infraestrutura e Obras de Goiânia (Seinfra), Fernando Cozzetti à coluna Xadrez, do jornal O Hoje.

Como a obra conta com recursos federais, a paralisação dá-se pelo mesmo motivo do BRT Norte Sul: falta de contrapartida da verba por parte do Paço. Outras obras viárias como das marginais Cascavel e Botafogo, também serão retomadas.

"Depois de regularizar a situação com fornecedores para serviços de iluminação, tapa buracos, limpeza de bueiros e serviços de manutenção, nós identificamos os contratos com empresas que realizam obras com recursos federais, já que 100% delas paralisaram os trabalhos por falta de pagamento. A situação está sendo sanada e nós estivemos no Ministério das Cidades para que não perdêssemos esse recurso. No máximo até o fim de abril nós iremos retomas as obras”, disse o secretário a coluna Xadrez.

As obras no corredor T-7 foram iniciadas em 2015. A expectativa é que o projeto dê mais agilidade às 13 linhas de ônibus que passam pela avenida, beneficiando aproximadamente 103 mil pessoas que utilizam o serviço diariamente.

O corredor terá 10,4 quilômetros de extensão e promoverá a requalificação da via, melhorando também a fluidez e segurança no trânsito de carros, ciclistas e pedestres. Com a obra, a avenida receberá nova pavimentação, abrigos de embarque e desembarque, sinalização vertical e horizontal, iluminação dos canteiros centrais, bancos metálicos e paraciclos. As calçadas, que ocupam uma extensão de 21 quilômetros, serão revitalizadas com conceito de sustentabilidade e rotas acessíveis.

A via também deve receber 8,1 quilômetros de trecho cicloviário, além de câmeras de monitoramento em tempo real e equipamentos de fiscalização eletrônica.