DF: Estudantes fazem fila no DFTrans para desbloquear cartão do Passe Livre

O posto do DFTrans da Galeria dos Estados, em Brasília, passou o dia com filas nesta sexta-feira (3). Dezenas de estudantes foram até o local para validar o cartão do Passe Livre que, de acordo com eles, estava com o status de vencido.

Segundo o órgão, os cartões estariam liberados para uso a partir de quarta-feira (1º), mas nem todos os estudantes conseguiram utilizar o benefício. De acordo com o DFTrans, a falha na liberação do Passe Livre Estudantil é de responsabilidade das empresas e elas é que deveriam ter atualizado todos os validadores das catracas, mas não concluíram a tarefa a tempo.

Em nota, a autarquia informou que os ônibus flagrados com o validador desatualizado serão retidos e as empresas multadas em R$ 900 por cada ocorrência. De acordo com a Secretaria de Mobilidade, 177 multas foram aplicadas só esta semana. A pasta informou que os veículos identificados com validadores desatualizados foram retidos até a solução do problema e outros 30 foram recolhidos para ajustes.

O G1 entrou em contato com a associação que representa os empresários do sistema de transporte, mas não obteve retorno até a última atualização da reportagem. Segundo a Mobilidade, as ocorrências ocorreram nas rodoviárias do Plano Piloto, Sobradinho, Gama, Santa Maria, São Sebastião, Riacho Fundo 1, Guará, Ceilândia (P Sul e Setor O) e Taguatinga.

O diretor-geral do Dftrans, Léo Cruz, afirmou que os estudantes que tentarem usar o cartão e identificarem problemas, precisam denunciar o veículo em que tentaram embarcar pelo telefone 162.

"Se o aluno vê que outros estudantes tentaram no mesmo ônibus e não conseguiram, precisam denunciar aquele carro para enviarmos a fiscalização. Porém, se perceber que o problema é só com ele, aí precisa procurar um dos postos de atendimento para validar o cartão, que pode estar com algum problema ou ter sido danificado".

Cruz informou ainda que os postos do Na Hora em Taguatinga, Ceilândia e Gama; além dos pontos de atendimento do DFTrans no subsolo da rodoviária do Plano Piloto, na Galeria dos Estados e na rodoviária de Sobradinho podem fazer a validação do cartão.

Desde cedo

Nesta sexta, as primeiras pessoas chegaram ao posto do DFTrans da Galeria dos Estados antes dos guichês abrirem e tiveram que esperar, em média, 40 minutos para serem atendidas. Alguns conseguiram resolver o problema e saíram com o cartão liberado para andar de ônibus ou metrô sem precisar pagar R$ 5 pela passagem. Foi o caso do estudante Robert Almeida, que desde quarta estava gastando para conseguir ir à faculdade.

"Eu tô aliviado, agora não vou mais precisar pagar e nem precisarei faltar à faculdade ou ao trabalho por não ter dinheiro para andar de ônibus", disse.

Mas nem todos que tentaram validar o cartão conseguiram. A estudante Maria Lícia, disse que chegou cedo, mas saiu sem ter o problema resolvido "mais uma vez". Isso porque desde agosto de 2016 ela tenta utilizar o passe livre, mas não consegue devido a um erro desconhecido na leitura do cartão.

"É complicado, é a segunda vez que venho e o problema não é resolvido. Agora eu estou tendo que pagar R$ 17 por dia, são R$ 85 por semana, para conseguir sair de casa assistir aula e voltar. Eu tenho que pegar um metrô e depois um ônibus para conseguir ir", contou.

Maria procurou a Defensoria Pública para conseguir que uma resposta, porém, segundo a estudante, mesmo assim o DFTrans não respondeu a solicitação e ela continua pagando passagem.

"Ano passado eu pagava R$ 8, porque o DFTrans não reconhecia as passagens a mais que eu solicitava", disse.

Atualização cadastral

Até o fim de fevereiro, o DFTrans promete atualizar a base de dados e deixar no sistema apenas estudantes que estiverem matriculados. Para isso, as escolas e faculdades da rede privada têm até o dia 17 para enviar a lista atualizada de alunos. Onde isso não for feito, há risco de que os cartões dos alunos da instituição sejam cancelados.

O cancelamento coletivo também pode acontecer se, ao longo dos próximos meses, as escolas falharem no envio da lista mensal de frequência dos alunos. A fiscalização tinha sido prometida no ano passado, durante o recadastramento, mas nunca foi colocada em prática. Desta vez, segundo o governo, o sistema está atualizado e vai permitir esse acompanhamento.

Fonte: G1 DF