DF: Empresas instalam câmeras em ônibus enquanto vigilância do GDF não começa a operar

Um dos crimes que mais aumentou no Distrito Federal no último ano foi roubo em ônibus. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública, entre 2015 e 2016 houve aumento de 23,4% nas ocorrências. Enquanto o projeto de videomonitoramento prometido pelo governo não é ativado, as empresas privadas começaram a investir no monitoramento da frota.

A empresa Marechal, por exemplo, instalou câmeras e GPS em seus veículos. Nos 3 mil ônibus são pelo menos três câmeras em cada um, que transmitem em tempo real para uma central de monitoramento.

“A gente tem colaborado bastante com a Polícia Militar fornecendo imagens, localização de onde tem ocorrido os assaltos. A gente acredita que isso tem colaborado para detectar e facilitar as ações da polícia”, afirmou o gerente de Tecnologia da Marechal, Mark Rosa.

O projeto de videomonitoramento do GDF prevê vigilância em Samambaia, Ceilândia, Taguatinga, Águas Claras, Itapoã, Riacho Fundo I e II e a região do Plano Piloto. De acordo com a secretaria, 500 câmeras de segurança foram instaladas, dessas, 130 estão operativas. A previsão do governo é de que até o final de 2017, a empresa responsável pela manutenção do sistema seja contratada e as 800 câmeras prometidas possam começar a operar.

O Detran também investiu em câmeras. Alguns agentes possuem equipamento próprio para registrar as operações. Segundo o diretor do órgão, Silvain Fonseca, um dos objetivos da câmera pessoal do agente é oferecer transparência e segurança nas autuações.

Além disso, de acordo com ele, o uso da tecnologia reduziu o número de desacatos e ameaças aos agentes. “Nós verificamos que monitoramento feito pelas câmeras do Detran e dos próprios agentes que adquiriram, a gente reduziu em 85% o número de desacatos, de ameaças, desobediências uma vez que o condutor que está sendo abordado está verificando que ele está sendo filmado.”

Fonte: G1 DF