DF: Comércio ilegal de cartões de vale-transporte lota redes sociais

Enquanto Câmara Legislativa e governo disputam na Justiça o preço das passagens de ônibus, estelionatários lotam as redes sociais com anúncios de Cartões Vale-Transporte. As ofertas variam de R$ 300 a R$ 1,5 mil em créditos. Esse tipo de comercialização, no entanto, é crime.

O vale-transporte é um repasse feito por empresas aos funcionários por meio do Transporte Urbano do Distrito Federal (DFTrans). Os cartões são intransferíveis e têm a quantidade correspondente ao número de viagens para o empregado ir e voltar do trabalho. Mas o benefício tem abastecido o mercado negro na internet.

Em um dos anúncios feito em grupo de WhatsApp, uma mulher oferece, por R$ 600, um cartão abastecido com R$ 1,5 mil em créditos para viagens no DF. Segundo ela, o cartão era do cunhado, que estava se mudando de Brasília. “Eu só tenho esse”, disse a moça, que contou ao Metrópoles ter vendido o benefício rapidamente.

Uma simples pesquisa sobre o assunto “vale-transporte” em grupos de comércio no Facebook indicava, na segunda-feira (23/1), três anúncios de venda e compra. Em um dos casos, o cartão de R$ 520 é repassado para o comprador por R$ 320. E com entrega em qualquer lugar de Brasília.

Caso de polícia

A Secretaria de Mobilidade (Semob) confirmou, por meio de nota, que a venda dos cartões é crime e comprometeu-se a encaminhar os casos expostos em anúncios nas redes sociais para a Polícia Civil.

A Semob disse ainda que a Subsecretaria de Fiscalização, Auditoria e Controle, em parceria com a Coordenação de Representação aos Crimes contra o Consumidor, a Ordem Tributária e a Fraude (Corf), fazem operações constantes para desarticular esse tipo de comércio.

A última ação ocorreu em 11 de janeiro, na Rodoviária do Plano Piloto. Na ocasião, seis pessoas foram presas em flagrante pelo crime de fraude contra o sistema de transporte público do DF.

Fonte: Portal Metrópoles