DF: Após críticas ao aumento das passagens, Rollemberg interrompe as férias. CLDF promete reverter reajuste da tarifa

Reforma no terminal rodoviário do Setor M Norte beneficiará 46 mil pessoas
As críticas ao governador Rodrigo Rollemberg (PSB) devido à revisão tarifária das passagens de ônibus e do metrô, feitas durante a cerimônia de posse da nova Mesa Diretora da Câmara Legislativa do Distrito Federal, surtiram efeito relâmpago. O chefe do Executivo local interromperá as férias e retornará a Brasília, nesta segunda-feira (2/1), para discutir a aplicação do reajuste.

Em recesso, Rollemberg havia viajado neste domingo para Aracaju (SE) e retornaria ao Palácio do Buriti apenas em 9 de janeiro. No entanto, o posicionamento de deputados distritais e, até mesmo, do vice-governador, Renato Santana (PSD), em relação ao aumento levou à mudança de planos: amanhã, Rollemberg deve se reunir com agentes políticos para apresentar, novamente, os argumentos que o levaram a promulgar o decreto.

Segundo o Executivo local, o reajuste seria necessário para equilibrar as contas do governo. Durante a coletiva de anúncio da medida, na última sexta-feira, o secretário de Mobilidade, Fábio Damasceno, afirmou que "o acréscimo vem para garantir o nível de gratuidade do sistema e não interferir na parte social".

A revisão tarifária, vigente a partir desta segunda-feira (2), estabelece um aumento de R$ 2,25 para R$ 2,50, no caso de linhas circulares internas; de R$ 3 para R$3,50, nas passagens de coletivos de ligação curta; e de R$ 4 para R$ 5, nas viagens de longa distância e no metrô. Este é o segundo reajuste referente à malha metroviária durante a gestão de Rodrigo Rollemberg (PSB). Em comparação ao início de 2015, quando o chefe do Executivo local assumiu a gestão do DF, o valor da tarifa mais cara subiu 66%.

Reprovação

Ao assumir a presidência do Legislativo local, Joe Valle (PDT), solicitou que "o governador revisse o reajuste até que o assunto fosse discutido melhor". E acrescentou: "Caso ele não o faça, a Câmara vai fazer". A Mesa Diretora, inclusive, se reunirá, na segunda-feira, às 10h, para decidir como agirá em relação ao assunto. Para derrubar a resolução do Executivo local, a proposta dos parlamentares deve obter, ao menos, o aval de 13 distritais.

O vice-presidente da sede do poder Legislativo local, Wellington Luiz (PMDB), reprovou o acréscimo, bem como a condução do tema. "É o segundo aumento em menos de dois anos de governo. Além disso, Rodrigo Rollemberg divulgou a medida às vésperas do fim de ano e entrou de férias", apontou.

O vice-governador, Renato Santana (PSD), também mostrou descontentamento com a medida. O pessedista declarou não ter sido consultado acerca do reajuste e criticou a equipe do Palácio do Buriti. "Somos 160 mil servidores do governo de Brasília. Por que um culpado? O auxiliar do governador tem o dever de ofertar alternativas que onerem o menor custo no bolso do contribuinte. Se o gestor não faz isso, precisamos encontrar quem o faça", criticou.

Âmbito jurídico

O reajuste pode transcender as portas do Palácio do Buriti e da Câmara Legislativa. O PSol decidiu entrar com uma ação questionando a medida no Tribunal de Justiça do DF e Territórios (TJDFT). O partido está otimista com a possibilidade de reverter a determinação, depois de uma decisão favorável em Porto Alegre. Na capital gaúcha, a sigla também recorreu ao Judiciário e obteve, em primeira e segunda instâncias, decisões que suspenderam a revisão tarifária. “Acreditamos que o aumento é absolutamente abusivo e deve ser fortemente combatido”, explicou o secretário-geral do PSol no DF, Fábio Félix.

O PMDB-DF também se posicionou sobre o tema. Em nota, a Executiva do partido alegou que "está tomando providências jurídicas, buscando anular o aumento abusivo das tarifas de transporte, que acarretará mais prejuízos à população do DF".

Fonte: Correio Braziliense