DF: Ônibus movidos a biodiesel devem circular a partir de janeiro, diz GDF

Os primeiros ônibus movidos a biodiesel devem começar a circular no Distrito Federal até fim de janeiro, adiantou ao G1 a Secretaria de Mobilidade. Com 20% de combustível feito a base de produtos animais e vegetais misturado ao petróleo, os coletivos vão fazer a extensão do Eixo Monumental por R$ 2,25.

Segundo o secretário Fábio Damasceno, os veículos vão fazer a linha circular do Memorial JK até a Praça dos Três Poderes, passando duas vezes pela Rodoviária do Plano Piloto. “Temos várias pesquisas apontando que é uma linha para a qual já existe uma demanda”, afirmou.

Ao todo, serão oito ônibus circulando, mais um reserva. Eles têm a mesma estrutura do BRT, com piso mais baixo (não é preciso de escada) e equipados com ar-condicionado. A empresa de ônibus responsável pela oferta da nova linha não foi informada.

A novidade faz parte das medidas previstas pelo GDF para 2017 no setor de transportes. Uma outra anunciada é a previsão de implementar o Bilhete Único até março. A intenção é permitir ao usuário pagar só uma passagem mesmo que precise usar linhas diferentes. O modo como isso vai funcionar e o impacto no orçamento ainda está em estudo, informou ao G1 a Secretaria de Planejamento.

No fim do ano passado, o governador Rodrigo Rollemberg tinha prometido que a novidade sairia em novembro, ao anunciar 80 ações na área de mobilidade. O secretário Fábio Damasceno negou que houvesse atraso, e justificou à necessidade de “fazer ajuste na legislação, no regulamento”. Confira aqui qual era o prazo para cada uma das ações prometidas pelo GDF no setor.

Ele também afirmou que a intenção é de já tentar oferecer todos os serviços paralelos para o usuário, como a disponibilização de um aplicativo para smartphone e possibilitar a compra e recarga de bilhetes em padarias, por exemplo.

Balanço

O novo prazo para implementação do BRT foi divulgado por Rollemberg ao fazer um balanço de 2016 na última sexta-feira (16). Na ocasião, ele também disse que o governo deve fechar as contas do ano com um déficit de R$ 1,5 bilhão – enquanto 2015 teve déficit de R$ 2,5 bilhões. Ou seja, o GDF continua gastando mais do que arrecada, mas em menor grau em comparação com o ano passado. Apesar da relativa melhora na economia, não há prazo para fechar as contas no “azul”.

A secretária de Planejamento, Leany Lemos, afirmou que as despesas deste ano reduziram significativamente. “Ano passado, nosso resultado primário [diferença entre receita e arrecadação] foi bastante negativo porque veio carregado, principalmente pelas despesas de pessoal”, afirmou. Segundo ela, o DF está em uma “trajetória positiva” e vai buscar aumentar receitas e cortar gastos para poder fechar 2017 com melhores resultados.

Fonte: G1 DF