Goiânia: Eixo Anhanguera - Benefício tem baixa adesão

Três meses depois de anunciado o fim do subsídio sem restrições de meia passagem no Eixo Anhanguera e a criação do Cartão Metrobus, pelo menos 184 mil passageiros ainda não providenciaram o documento – obrigatório para quem quiser continuar pagando meia passagem. O número pode chegar a 294 mil, considerando que em junho a Metrobus afirmava que 330 mil pessoas passavam por mês nos ônibus do Eixão. Agora, o governo estadual fala em 220 mil.

A baixa procura pelo cartão fez a Secretaria de Governo adiar de ontem para 8 de outubro o início da obrigatoriedade. A partir de então, quem não estiver com ele, terá de pagar o valor integral de R$ 3,70. Por enquanto, apenas um em cada 24 passageiros tem o cartão em mãos, o que dá 9 mil passageiros. Outros 27 mil documentos estão esperando seus respectivos donos em agências do Vapt-Vupt.

O titular da Secretaria de Governo, Tayrone Di Martino, afirma que o adiamento do fim do benefício irrestrito foi para que os passageiros pudessem ainda se adequar. “Como observamos que nem todos que solicitaram o cartão retiraram, por prudência decidimos estender o prazo para que elas consigam se adequar”, diz.

Entre os terminais do Eixo Anhanguera, porém, há quem nem saiba da exigência do benefício, mesmo após três meses após o anúncio. É o caso do auxiliar administrativo Vinícius Alves de Sousa, de 18 anos. Apenas após ser abordado pela reportagem que ele tomou conhecimento. “Eu nem estava sabendo. Tem que fazer?”, questiona.

A falta de informação é a queixa da cuidadora de idosos Suene da Silva Ferreira, de 24 anos. “Eu passo todos os dias pelo Eixão e não vi um cartaz, uma placa, nada. Nenhum funcionário da empresa informando sobre isso. Poderia ser diferente. Vi só no noticiário esses dias que começaria a valer e fui correndo, até mesmo porque eu não concordo com esse cartão. É um sacrifício a mais para que a gente ande com dois cartões. Complica”, relata.

Ela procurou na última quinta-feira uma unidade do Vapt Vupt. No entanto, foi informada que o cartão demora entre 15 e 40 dias. “Mesmo tendo solicitado agora, corro o risco de ter de pagar a mais no Eixão antes que ele chegue”, ressalta.

A reportagem percorreu plataformas e terminais e também não encontrou os avisos sobre a mudança. Outros passageiros também relataram o fato, além de dúvidas acerca das mudanças. “Eu só fiquei sabendo pela televisão. No meu entendimento a empresa que tinha de trazer essa informação e não os meios de comunicação”, afirma a passadeira Lucélia Silva Rafael, de 54 anos.

Por meio de nota a Metrobus diz “o objetivo do adiamento é alertar os beneficiários sobre a necessidade de retirada do Cartão que já se encontra à disposição nas unidades do Vapt-Vupt, para que possam usufruir dos benefícios”.

A empresa reforça ainda que a requisição do item não acaba no dia 8 de outubro. “Os passageiros podem solicitar o cartão depois dessa data”, afirma a assessoria de imprensa da estatal por meio de nota.

Fonte: O Popular