Goiânia: Projeto do SET prevê cartão retornável para usuários eventuais do transporte

Um novo cartão Sitpass, útil para apenas uma viagem, poderá ser implantado em até 30 dias em Goiânia. Caso se concretize, o cartão Sitpass Expresso deverá ser adquirido por usuários do transporte coletivo que não possuem ou que no momento da viagem não estão com os cartões Fácil, Escolar, Integração, da Criança ou do Idoso em mãos. O cartão será vendido pelos motoristas e o custo para adquiri-lo deve ser de R$ 5,50.

O novo produto faz parte de um projeto de autoria do Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Passageiros de Goiânia (SET) e aprovado no último dia 11 pela Companhia Metropolitana de Transportes Coletivos (CMTC). O diretor técnico da CMTC, Domingos Sávio Afonso, informou que o cartão será programado para ser abastecido com apenas uma viagem, e o usuário não poderá fazer recargas.

Para utilizar o Expresso, não será necessário o cadastro do Cadastro de Pessoas Físicas (CPF). O usuário será ressarcido no valor de R$ 1,80 pago a mais pela viagem, após devolver o cartão, que poderá ser trocado nos mais de dois mil pontos de venda de recarga de cartões Sitpass, além de 41 bilheterias.

Sindicato dos rodoviários cita dupla função de motorista

O tesoureiro do Sindicato Intermunicipal dos Trabalhadores no Transporte Coletivo Urbano de Goiânia e Região Metropolitana (Sindicoletivo), Carlos Alberto, informou que até ontem não tinha conhecimento sobre o novo produto, mas se posicionou contra o projeto. “O motorista vai ter que trabalhar como cobrador, vendedor de passagem e motorista de ônibus ao mesmo tempo.”

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Rodoviário do Estado de Goiás (Sinditransporte), Alberto Magno, não quis se posicionar sobre o projeto, pois, até ontem, não havia recebido uma proposta do SET.

Já os usuários do transporte coletivo ouvidos pelo POPULAR aprovaram a ideia. A farmacêutica Laura Esteves Cardoso, de 28 anos, que precisou interromper a viagem para recarregar o cartão Fácil, diz que projeto vai ser útil. “Era para eu ter descido na Praça da Bíblia, mas como lá não recarrega carteirinha, precisei descer aqui (Terminal Isidória).” O autônomo Romário Ramos, de 21, também comemorou: “Pra gente vai ser muito bom, mas para os motoristas que vai ser ruim”.

Fonte: O Popular