DF: TRT determina que 50% da frota da TCB deve circular em horário de pico

O Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região (TRT10) determinou que 50% dos ônibus da Sociedade de Transportes Coletivos de Brasília (TCB) devem circular em horários de pico e 30% da frota nos demais horários e aos sábados, domingos e feriados. Os servidores da empresa paralisaram as atividades na última segunda (4/7). A multa é de R$ 100 mil por dia de descumprimento da decisão.

Os rodoviários também estão proibidos de impedir o acesso dos trabalhadores aos postos de serviço, determinou a Corte nessa terça (5). Uma audiência de conciliação foi marcada para a próxima quinta (7), às 15h.

Em nota, a TCB lamentou “os transtornos causados com a paralisação” e afirmou que o Governo do Distrito Federal (GDF) está impedido de reajustar os salários em razão do limite prudencial da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF)”.

Entenda o caso

A proposta que prevê aumento de 10% nos salários, 11% no tíquete-alimentação, na cesta básica e no plano de saúde, além de 3% no plano odontológico, firmada no último domingo (3) com os donos de empresas de ônibus, não foi suficiente para convencer os servidores da estatal do GDF.

A TCB informou, por meio de sua assessoria, que os funcionários pedem um reajuste salarial de 30% e aumento de 54% no tíquete-refeição. Além de motoristas e cobradores, fiscais e funcionários responsáveis pela manutenção também paralisaram as atividades.

Em entrevista ao Metrópoles, o presidente do Sindicato dos Rodoviários do DF, Jorge Farias, revelou que a data-base da TCB está em aberto desde o ano passado. “A TCB tem oito linhas que circulam no Distrito Federal, mas, muitas vezes, outras empresas conseguem suprir os trajetos. O que vai fazer falta são os ônibus executivos que fazem o percurso até o aeroporto”, explicou Farias.

A empresa, que atende uma média de 18 mil passageiros por dia, também faz os percursos da Rodoviária do Plano Piloto até a Praça dos Três Poderes (0.108), Superior Tribunal de Justiça e o Tribunal Superior do Trabalho (108.3), Palácio do Buriti (108.4), Setor de Indústria e Abastecimento (108.5), Shopping Popular (108.6), Setor Militar Urbano (108.7), Rodoviária Interestadual (108.8) e Sudoeste (131.3).

Fonte: Portal Metrópoles