DF: GDF diz aguardar aval da Justiça para instalar controle de tráfego do BRT

Comprado em 2011 por R$ 22 milhões, um sistema de controle de tráfego que seria usado no BRT do Distrito Federal segue guardado em caixas após cinco anos. O governo diz aguardar decisão do Tribunal de Contas no processo que apura possível superfaturamento nas obras do meio do transporte.

O secretário de Mobilidade do Distrito Federal, Marcos Dantas, afirmou à TV Globo nesta segunda-feira (4) que, por conta das investigações, o governo não pode fazer qualquer melhoria no sistema do BRT.

“Na verdade tem algumas amarras jurídicas e legais que impedem que a gente ande com mais brevidade, mas nós estamos ultrapassando esses problemas e tomamos a decisão. Se eles não fizerem, nós vamos fazer, ainda que depois tenhamos que cobrar o serviço dos responsáveis”, afirma.

O presidente do Tribunal de Contas, conselheiro Renato Rainha, afirmou em abril do ano passado que cobrou do GDF a implantação imediata dos equipamentos. Ele disse que havia riscos de comprometer a funcionalidade do BRT e pediu um cronograma para a solução do problema.

O sistema inteligente custou R$ 22 milhões. Câmeras, monitores e computadores estão guardados em caixas no DFTrans. A empresa contratada para instalar o equipamento cobra cerca de R$ 50 milhões em faturas atrasadas e, por isso, também não realizou o serviço.

Com o sistema de tráfego, as viagens poderiam ser controladas em tempo real. O equipamento seria o primeiro passo para a criação de um centro de controle com capacidade para melhorar a saída, o trajeto e a chegada dos veículos.

A TV Globo entrou em contato com a empreiteira Andrade Gutierrez, uma das responsáveis pelo consórcio do BRT, mas a direção da empresa não quis se manifestar.

Fonte: G1 DF