DF: Em assembleia, servidores do metrô mantêm greve

Em assembleia realizada ontem, como haviam antecipado, os servidores do metrô decidiram continuar a greve, que hoje completa 44 dias e é a maior da história da categoria. Impedido pela LRF de conceder aumentos, o GDF encaminhou uma lista de propostas que abrangem apenas cláusulas sociais, como aumento da indenização de transporte e licenças.

As sugestões irritaram os servidores, que pedem reajuste de 10% e a contratação de servidores aprovados em concurso. “Não havia nenhuma proposta factível”, explicou o diretor do Sindmetrô Ronaldo Amorim. “Estão tentando ludibriar os servidores e os sindicatos dizendo que estão negociando.”

O metrô segue, portanto, funcionando apenas em horários de pico.

Na Olimpíada

Faltando oito dias para o primeiro jogo da Olimpíada no Mané Garrincha, cresce a indecisão a respeito do transporte. O Sindmetrô, entretanto, vai aguardar um posicionamento do TST (Tribunal Superior do Trabalho), que deve ser provocado pelo governo para garantir as estações abertas nos dias do evento.

Se for estabelecida qualquer operação especial para os dias da partida, no entanto, os servidores confirmaram que farão paralisações completas – eles alegam que não têm efetivo nem condições de segurança para manter o transporte funcionando além do horário.

Fonte: Jornal Metro Brasília