Goiânia: Motorista gentil conquista fãs

Logo pela manhã os passageiros da linha 08 embarcam com certo espanto quando são abordados pelo motorista que faz questão de receber a todos com um “bom dia” cordial na porta traseira do ônibus no Terminal Veiga Jardim, em Aparecida de Goiânia. Antes de partir ele se apresenta, agradece os passageiros, deseja-lhes boa viagem, um ótimo dia e ainda ajuda aqueles que estão com bagagem pesada. Só depois ele segue para a parte da frente do veículo e começa a dirigir até o centro da capital.

O exemplo do motorista do transporte coletivo Roberto Soares Rufino, de 45 anos, chamou a atenção de algumas pessoas que, admiradas, relataram a atitude em uma rede social. Umas dessas postagens chegou a ter quase 3 mil compartilhamentos, 19 mil curtidas e uma enxurrada de comentários positivos e de apoio ao ato do profissional.

A reportagem acompanhou ontem Roberto no trajeto da linha, que dura aproximadamente duas horas. Em todas as paradas os passageiros são recebidos com um bom dia seguido de uma mensagem de “seja bem-vindo”. “A gente se sente bem com esse tratamento, que tem o poder de influenciar todo o nosso dia”, relata a auxiliar Creusele Gomes.

Ninguém que embarcou ao longo do trajeto deixou de responder ao cumprimento, mesmo que timidamente. Talvez pela influência do tratamento recebido logo na entrada, foi possível observar que naquele ônibus os mais jovens e até mesmo senhoras cederam seu assento aos idosos, algo raro de se ver por esses dias.

Ele corrige, inclusive, o repórter desavisado que entrevista uma senhora em pé. Ao lado havia um lugar vago. “Por que a senhora não se acomoda ali e conversa com o rapaz?”, oferece. Quando é cortado por um senhor no trânsito, ele ainda para ao lado do veículo no semáforo fechado, abre as portas e dá novamente um puxão de orelha. “Ô meu senhor, da próxima vez dá a seta”.

Já a telefonista Márcia Gomes, de 44 anos, jura de pé junto que o tratamento é o mesmo em todas as viagens. “É muito diferente dos demais. Hoje a gente é tão maltratada que quando é bem tratada estranha. Eu pensava que ele iria cansar, mas ele me provou o contrário. E gentileza gera gentileza, por isso o clima no ônibus é sempre muito bom. A gente leva isso para o dia a dia”, afiança.

12 elogios oficiais já foram enviados à empresa

Doze pessoas já elogiaram de maneira oficial o motorista Roberto Rufino diretamente na empresa onde ele trabalha. Todos foram anexados na ficha do motorista que, segundo a analista de Recursos Humanos da Rápido Araguaia, Leandra Batista dos Santos, é um dos que mais recebem elogios da empresa. “Ele tem uma ficha extensa de elogios e tem sido muito divulgado nas redes sociais. Está ficando famoso”, ressalta a analista.

Leandra conta ainda que além da rotina de se apresentar e desejar uma boa viagem aos passageiros, Roberto tem o costume de conferir o veículo todos os dias na garagem antes de começar a rodar pela cidade. “Observa o óleo, água, lava o carro e até tira a poeira”, revela.

Alguns passageiros têm inclusive reclamado da atitude de outros motoristas que não seguem a mesma linha de tratamento dada por Roberto Rufino. “A atitude dele serve como exemplo. Fazemos questão de abordar a educação no curso que os motoristas fazem. De três em três meses todos os 1.315 profissionais da área vão para a sala de aula e o tratamento é um dos temas abordados com frequência”, afirma a analista de Recursos Humanos.

3 perguntas para Roberto Soares Rufino

1 - Desde o primeiro dia você agiu assim?

Sim. Quando eu comecei aqui fui fazer a linha 031, que é uma das mais terríveis de Aparecida de Goiânia, e recebe muitos marginais. Nos dez primeiros dias eles passavam por cima da catraca, entravam pela porta traseira. Mas com a cordialidade fui conseguindo reverter essa situação. Diziam que “esse motora é gente boa.” Não tive nenhum problema. Foi aí que eu vi algo positivo e decidi levar adiante.

2 - É gratificante?

Sim. Meu sonho de infância era ser motorista e sempre repito que é um privilégio enorme transportar as pessoas, porque é a carga mais valiosa do planeta. Me sinto bem com essa atitude e quero que meus passageiros se sintam da mesma maneira. Sempre recebi esse ensinamento do meu pai e quero passar também para os meus cinco filhos.

3 - Você já teve algum problema?

Infelizmente um companheiro de trabalho não aceita essa minha postura. Me chama de aeromoça. Fiquei chateado, mas estamos resolvendo isso. Agora com passageiro só uma vez. Uma senhora pegou o ônibus errado e descontou em mim. Fiz questão de desviar a minha rota e levar ela até o ônibus que ela precisava pegar. Mesmo assim ela saiu brava.

Fonte: O Popular