Goiânia: Assaltos aterrorizam passageiros do Eixo Anhanguera

Passageiros relatam que já foram assaltados várias vezes dentro dos ônibus do Eixo Anhanguera, em Goiânia. Uma estudante, que não quis ser identificada, contou que foi vítima de tentativas de roubo e assaltos quatro vezes. Funcionários dos terminais afirmam que veem sempre um mesmo grupo agindo com frequência nas plataformas. A Secretaria de Segurança Pública de Goiás (SSP-GO) diz que atua permanentemente nos terminais.

Segundo a estudante, o último episódio aconteceu na quarta-feira (1º), quando ela voltava da faculdade. “[O assaltante] pegou [o Eixo Anhanguera] no sentido do Terminal do Dergo junto comigo. No momento que eu senti que ele ia mexer na minha bolsa eu dei uma cotovelada e saí do ônibus. Em seguida ele tentou roubar um senhor, depois passou e me deu um chute na barriga”, relatou.

A mulher comentou ainda que já reconheceu os mesmos autores em mais de um assalto. “Sempre são as mesmas pessoas. Você pensa que são trabalhadores normais. Eu quero justiça. Eu quero todos aqueles, não só os que me roubaram, mas também que roubaram outras pessoas, quero ver eles presos pagando pelos crimes que eles cometeram”, pediu.

Mesmos suspeitos

Um funcionário do Terminal da Praça A, que não quis se identificar, contou que já viu as mesmas pessoas realizando furtos e assaltos no no local. “Uma quadrilha. Quinze, vinte pessoas sempre juntas. Eles andam dentro do eixo, roubam, saem e vira aquela bagunça”, afirmou.

A vendedora Kátia Winder também é usuária do transporte coletivo e contou que teve o celular furtado recentemente. “Rasgou minha bolsa, acho que com estilete, e levou meu celular. Não senti nada, estava muito cheio [o ônibus] e eles são muito rápidos”, lamentou.

A advogada Norcelina dos Reis Pimenta também relatou que conheceu vítimas de assaltos dentro do ônibus. “Eu encontrei uma mulher que estava chorando porque tinha sido assaltada dentro do Eixo Anhanguera. Isso dá uma insegurança muito grande, a gente fica com medo, qualquer pessoa que encosta na gente, a gente já fica assim”, reclamou.

A SSP-GO informou que realiza ações permanentes nos terminais e que faz prisões com frequência, mas que os suspeitos logo voltam para as ruas. A Guarda Civil Metropolitana (GCM) prometeu aumentar a vigilância. A corporação lembrou que o numero 153 pode ser usado para denúncia.

Fonte: G1 GO