DF: BRT opera bem abaixo do esperado

Quando o Bus Rapid Transport (BRT) Expresso DF foi inaugurado, a promessa de um dos legados da Copa do Mundo era facilitar a vida dos passageiros do Distrito Federal. Quase dois anos após o fim do mundial, nem todas as estações do Expresso DF foram entregues a população. Além disso, algumas já apresentam danificação e vandalismo. Investimento custou mais de R$ 760 milhões.

No projeto da obra, o sistema beneficiará 272 mil moradores de Gama, Santa Maria e do Park Way e reduziria o tempo de viagem de uma hora e meia para 40 minutos. Mas, atualmente, circulam pelo BRT apenas 38 mil pessoas por dia. Além disso, das 10 estações apenas seis estão funcionando normalmente (Terminal BRT Santa Maria, Terminal BRT Gama, Santos Dumont, Periquito, CAUB e Park Way) e quatro ainda não entraram em operação (Catetinho, SMPW Q. 26, Ipê e Vargem Bonita).

Uma reclamação comum entre os passageiros são as estações inutilizadas. Entre elas, está a Vargem Bonita, no Park Way. A obra do local não está concluída, de acordo com a Secretaria de Mobilidade. Mas a estrutura do local já foi alvo de vândalos. Os ferros foram retorcidos, há vidros quebrados, o mato cresce no local e há vazamento de água em uma das salas. Além disso, é possível ver a fiação exporta em uma das salas.

Morador da região, o garçom Raimundo Notato, de 23 anos, reclama da falta de opção de quem mora lá. “A outra estação fica muito distante para eu pegar o BRT lá. Aqui quase não passa mais ônibus do DF. Tenho recorrer aos ônibus do Entorno, mas eles não aceitam o cartão de vale-transporte e tenho que pagar do meu próprio bolso para trabalhar”, reclama.

Um outro passageiro, que não quis se identificar, denúncia que, apesar de não está em funcionamento, a iluminação da estação passa a noite acessa, e reclama da falta de utilização do espaço. “No começo, eu pedia para os motoristas e eles paravam na estação. Hoje, eles dizem que não podem mais parar. Com isso, acabo tendo que andar cerca de 2km”, desabafa.

De acordo com a Secretaria de Mobilidade, o Governo de Brasília está finalizando o recebimento das obras para que os terminais desativados comecem a operar, o que deve ocorrer no segundo semestre de 2016. Questionada sobre os reparos que precisam ser feitos, a pasta informou que o DFTrans está aguardando a conclusão da licitação para contratação de manutenção e segurança para realizar o levantamento do precisa ser feito. Ainda não há uma previsão de gastos.

Fonte: Da redação do Alô Brasília