Goiânia: Finalmente, seguranças nas plataformas do Eixo Anhanguera

A Metrobus, empresa responsável pela gestão do Eixo Anhanguera, garante que seguranças particulares trabalham nas 19 plataformas da linha há duas semanas. Segundo a estatal, a inserção dos colaboradores começou de forma gradativa e hoje eles ocupam todos os pontos durante o horário de circulação dos ônibus, das 5h à meia-noite. A ação judicial para a contratação dos seguranças foi proposta pelo Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO) em novembro do ano passado.

De acordo com a empresa privada responsável por prestar o serviço, 106 seguranças foram designados para a função e trabalham em turno de 12/36. O primeiro segurança chega às 5h e sai às 17h, quando chega outro guarda para ocupar o posto. A Metrobus informou que o quantitativo é o suficiente para realizar a segurança nas plataformas. Além da contratação de seguranças, a ação do MP-GO, proposta pela promotora de Justiça Maria Cristina de Miranda, também requereu a instalação de câmeras de vigilância nas plataformas. Segundo a Metrobus, os aparelhos serão instalados a partir de março.

No entanto, a presença dos seguranças nas plataformas não inibiu a ação dos assaltantes. A aposentada Luiza Maria de Melo, 68, ficou alguns minutos esperando a irmã em uma das plataformas localizadas próximo ao cruzamento da Avenida Anhanguera com a Avenida Goiás na tarde de ontem (1º), pois elas haviam acabado de ser assaltadas na plataforma. “Ela foi ao Set (antigo Setransp) para cancelar o Cartão Fácil, que foi furtado. Estávamos entrando no ônibus e uma mulher abriu o zíper de fora da bolsa dela. Só encontraram o Cartão Fácil. Mas se tivesse dinheiro ou um documento, tinham levado também”, conta Luiza.

A aposentada lembra que também foi assaltada dentro do ônibus do Eixo Anhanguera em maio do ano passado. “Deixei a bolsa para trás sem querer. Quando percebi tinham rasgado o zíper. Levaram minha carteira, com documentos e dinheiro”, lamenta Luiza. Um segurança particular que não quis se identificar informou à reportagem que o maior problema da segurança nos ônibus são os ambulantes.

“Muitos que vendem produtos dentro dos ônibus são assaltantes ou coniventes com a prática. Eles recebem os objetos roubados ou furtados e escondem no meio da mercadoria”, conta o segurança, que começou a trabalhar nas plataformas há uma semana. Os colaboradores também se empenham para impedir que pessoas entrem sem pagar nas plataformas e, por isso, acabam agredidos. “Eu estava ao lado da grade e ouvi um barulho. Quando olhei para trás percebi que um homem que eu havia acabado de retirar da plataforma por entrar sem pagar jogou uma pedra na minha direção, mas felizmente ele não acertou”, conta o segurança.

Fonte: O Hoje