Goiânia: Prefeitura começa a instalar sinalização da 'Zona 40'

Nas ruas da região do Manto da Nossa Senhora, no Centro de Goiânia, as placas já indicam a redução da velocidade máxima permitida de 60 para 40 quilômetros por hora (km/h). É a maneira que a Secretaria Municipal de Trânsito, Transporte e Mobilidade (SMT) escolheu utilizar para que os motoristas já comecem a se adequar ao projeto Zona 40, que reduz a velocidade neste patamar na área entre a Praça Cívica e as Avenidas Araguaia, Tocantins e Paranaíba, incluindo as Avenidas Goiás e Anhanguera neste trecho.

Nesta semana, a SMT estima finalizar a sinalização de toda a região, a depender da chuva, já que há o uso de tinta para os sinais verticais e implantação de faixas indicativas ao projeto. A intenção é que a velocidade máxima mude totalmente a partir de fevereiro e haverá 30 dias para que ocorra a adequação. Até lá, a secretaria promete instalar dez radares na região para fiscalizar o cumprimento da determinação. As autuações começam em março e as multas vão variar de 85 reais a 191 reais, a depender da velocidade do carro no flagrante.

Ainda neste período, a SMT pretende realizar a pintura da ciclorrota no Centro, que corresponde às Ruas 5, 6, 7, 8 e trechos da Rua 1 e da Avenida Goiás. Os trechos cicloviários vão servir como ligações aos demais previstos e existentes na capital, como as ciclovias dos corredores Universitário e T-7 e a ciclorrota da Avenida Cora Coralina, que vai até o Parque Areião e Avenida T-63, onde está prevista a finalização da ciclovia que hoje existe apenas até a Praça Nova Suíça.

Projeto ainda não está valendo, diz secretaria

A Secretaria Municipal de Trânsito, Transporte e Mobilidade (SMT) esclarece que o projeto Zona 40 ainda não está valendo, mas que optou por deixar a sinalização a vista para que os motoristas se acostumem. Normalmente, nestes casos, a maneira utilizada é cobrir as placas com sacos pretos, mas sempre há casos de vandalismo e retirada das coberturas e, por isso, optou-se por mantê-las visíveis. A proposta de redução da velocidade gera polêmica entre motoristas, que afirmam que a medida vai inviabilizar o fluxo dos carros.

Técnicos em engenharia de trânsito e tráfego, no entanto, revelam que a medida tem resultado inverso a este do senso comum. Em resumo, uma menor velocidade máxima permite menor distância segura entre os veículos e, logo, maior uso da caixa viária, fazendo com que um maior número de carros ocupem um mesmo espaço. Além disso, essa menor velocidade, em 40 km/h, a torna constante ao menos fora dos horários de pico, aumento a velocidade média do fluxo de veículos.

A medida tem principal foco na redução de acidentes de trânsito, já que em velocidades menores o tempo de reação dos motoristas é maior.

Fonte: O Popular