Goiânia: Metrobus diz que contratará empresa de vigilância

As pessoas que utilizam o transporte coletivo no Eixo Anhanguera terão que aguardar, na melhor das hipóteses, por mais uma semana para poder contar com mais segurança na linha e dentro dos ônibus do Eixão. O Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJ-GO) informou que o prazo para cumprir a decisão judicial e contratar uma empresa especializada em segurança se encerra no próximo dia 18. Com a medida, a Metrobus – empresa estatal concessionária que opera a linha do Eixo Anhanguera, será obrigada a ofertar vigilância patrimonial com contingente físico e sistema de câmeras nas plataformas e no interior dos ônibus do Eixão. Caso descumpra a decisão, a empresa terá que arcar com uma diária de R$ 20 mil.

Embora o prazo esteja apertado, o presidente da Metrobus, Marlius Braga Machado, afirma que a estatal não irá recorrer e irá cumprir a determinação judicial. “Nós estamos cumprindo as questões e iremos contratar os vigilantes até o final do mês”, diz.

Outra parte envolvida na decisão, a Polícia Militar ressaltou que acatou as medidas e disponibilizou viaturas nos terminais e também colocou policiais à paisana dentro dos ônibus.

Imbróglio

A primeira decisão sobre o assunto, no início de dezembro, dava um prazo de 48 horas para que a Metrobus contratasse com a dispensa de licitação uma empresa de vigilância. A empresa recorreu e conseguiu um prazo maior, mas o pedido de suspensão da multa foi negado. Em sua decisão, o desembargador Fausto Moreira Diniz disse que, se por um lado a imposição judicial pode trazer prejuízos econômicos à empresa, "não se pode perder de vista que a ausência de segurança aos usuários do transporte público põe em risco a própria incolumidade física dos mesmos".

Sem data definida para contrato com a RMTC

Além da decisão judicial, o presidente da Metrobus, Marlius Braga Machado, comentou sobre a aproximação com o consórcio da Rede Metropolitana de Transporte Coletivo de Goiânia (RMTC).

De acordo com o presidente, ainda não há uma data definida para a assinatura do contrato. “Estamos alinhando as últimas questões contratuais para em breve poder assinar”, relata.

Marlius ressalta que a Metrobus irá manter a gestão da sua frota de ônibus e a primeira medida adotada será, justamente, na segurança dentro da linha do Eixo Anhanguera. “Queremos oferecer um serviço de câmeras de segurança, mas não é tão fácil e nós precisamos de tempo para adquirir, instalar e colocar em funcionamento”, diz.

A ação seguinte após a assinatura será na gestão da limpeza e manutenção dos terminais e plataformas.

Fonte: O Popular