DF: Distritais da CPI do Transporte querem conhecer detalhes da operação da Polícia Civil

A Polícia Civil do Distrito Federal realizou nesta quarta-feira (27), uma operação de busca e apreensão em sete locais diferentes de Brasília.

Durante a operação foram apreendidos documentos e equipamentos eletrônicos nas casas do ex-secretário de Transporte da gestão Agnelo Queiroz, José Walter Vazquez, do ex-presidente da Comissão de Licitação do Transporte, Galeno Furtado, e do pivô das investigações da CPI do Transporte (Comissão Parlamentar de Inquérito) do Legislativo local, Sacha Reck, acusado de trabalhar tanto para o governo quanto para as empresas que disputaram o certame.

A polícia também realizou busca em escritórios de advocacia e no gabinete do deputado Ricardo Vale (PT), na Câmara Legislativa, para recolher documentos de uma funcionária daquele distrital que, na época da licitação era assessora do ex-secretário de Transporte José Walter Vazquez.

A operação aumentou as expectativas sobre o futuro do transporte público do Distrito Federal, depois que o juiz da 1ª Vara da Fazenda Pública do Distrito Federal, Lizandro Gomes Filho, atendendo um parecer do MPDFT (Ministério Público do Distrito Federal), anulou nessa terça-feira (26), por irregularidades durante o processo, a concorrência pública que licitou, em 2011, o atual sistema de transporte do DF.

CPI do Transporte

Sobre a operação realizada pela Polícia Civil do DF, o relator da CPI do Transporte da Câmara Legislativa, distrital Raimundo Ribeiro (PSDB), acredita que ainda é muito cedo para tecer qualquer comentário sobre o ocorrido, mas acredita que as investigações estão chegando um momento crítico.

“O cerco das investigações está se fechando. Os dados que nós temos vão nos levar a mesma direção”, limitou-se a comentar o deputado, que prefere esperar o decorrer das investigações para dar novas declarações.

O presidente da CPI do Transporte, Bispo Renato Andrade (PR), que estava em viagem e ainda não tinha se inteirado sobre o assunto, também preferiu cautela ao comentar a operação. Disse apenas que vai procurar o deputado Ricardo Vale (PT), que teve o gabinete revistado pela polícia que buscava de documentos e o computador de uma assessora do parlamentar. A trabalhou na Secretaria de Transporte no período em que a pasta era comandada por José Walter Vazquez, quando foi realizada a licitação do transporte.

“Vou primeiro me inteirar das investigações para somente depois, talvez no final da tarde conversar com o deputado Ricardo Vale. Prefiro não fazer nenhum comentário sobre isso, até porque se trata de um deputado e pelo fato dele fazer parte da própria CPI”, declara Bispo Renato.

O presidente marcou para a próxima terça-feira (2) uma reunião extraordinária para definir os futuros passos da Comissão Parlamentar de Inquérito. Segundo nota divulgada pelo distrital, as ações de busca e apreensão seriam os próximos passos da CPI, que mesmo tendo sido realizada antes pela Polícia Civil, não alterará o cronograma das investigações.

Fonte: Portal Fato Online