DF: GDF decide acelerar processo de racionalização das linhas de ônibus

A frota do transporte público de Brasília começou a ser trocada há dois anos, mas o governo sempre insistiu na tese de que o sistema só melhoraria de verdade quando as linhas fossem “racionalizadas” -- termo técnico para a redução dos trajetos, que ficam concentrados no corredores centrais, tornando as viagens mais frequentes.

Esse processo de reorganização finalmente começou e, segundo a Secretaria de Mobilidade, será concluído até o fim do ano. O início da transição, porém, foi tumultuado. No início de junho, foram extintas linhas no Riacho Fundo II e no Recanto das Emas sem que os passageiros tenham sido avisados -- e muita gente ficou esperando por ônibus que não passariam. “Era um teste; os ajustes foram feitos”, desculpa-se o secretário de Mobilidade, Carlos Tomé.

No último sábado, o processo de racionalização chegou a Samambaia, onde os trajetos operados pela empresa Urbi diminuíram de 22 para 17. As linhas extintas, segundo o governo, são as que variam pouco das principais (como as .2 e .5). Para atender aos locais onde os coletivos diretos deixaram de passar, foi criada uma linha circular, integrada ao sistema.

“Com a mudança, o número de viagens das linhas cresce. Não é menos ônibus na rua”, garante Tomé. “E vamos explicar as mudanças para a população”, garante. Pelo cronograma, as próximas cidades a terem as linhas “racionalizadas” serão Planaltina, no próximo sábado; e Riacho Fundo I e Núcleo Bandeirante, em 15 de agosto.

Fonte: Jornal Metro Brasília