Goiânia: 22 acidentes este ano com passageiros e ônibus

Ao menos 22 acidentes envolvendo passageiros e ônibus ocorreram este ano na capital. Desse total, sete foram fatais, segundo dados da Delegacia Especializada em Investigação de Crimes de Trânsito de Goiânia (DICT). Ontem, mais um foi computado. Uma idosa foi atropelada no terminal do Dergo. No mesmo dia outro acidente envolvendo uma pedestre foi registrado pelo Corpo de Bombeiros em Aparecida de Goiânia.

No entanto, a delegada da DICT Nilda Limas Andrade acredita que o número na capital possa ser maior. “Infelizmente é frequente esse tipo de ocorrência. Na DICT temos apenas o total de óbitos, mas o número de acidentes deve ser bem mais alto, pela frequência que tivemos no ano.”

Outros dados são referentes aos atendimentos computados pelo Hospital de Urgência de Goiânia (Hugo) e pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Até março, foram socorridas 13 vítimas de acidente de ônibus no Hugo. Já de abril o hospital não tem os dados fechados. O Samu registrou uma ocorrência este mês. A reportagem do POPULAR entrou em contato com a Rede Metropolitana de Transporte Coletivo de Goiânia (RMTC) para buscar mais dados, mas a empresa não conseguiu fazer o levantamento até o fechamento da edição.

O último incidente na capital ocorreu ontem no Terminal do Dergo, no Setor Aeroviário. Nadir Maria de Farias, de 77 anos, foi atropelada por um ônibus e teve a perna direita esmagada. A vítima foi encaminhada ao Hugo, lúcida, mas em estado gravíssimo. Ela passou por uma cirurgia de 4 horas. A equipe de ortopedia do hospital tratou das fraturas do fêmur e da fíbula, onde foram feitas suturas e colocado fixador externo. “O estado da paciente é regular”, informou em nota.

O estudante Gabriel Rodrigues, de 16 anos, presenciou o acidente. Ele conta que o ônibus já estava saindo quando a mulher tentou embarcar. “A porta já estava fechando. Ela tentou pular para entrar, mas tropeçou e caiu. O motorista não notou e continuou o caminho até que os passageiros começaram a gritar e ele parou”, revelou.

A mulher ainda estava consciente quando a ambulância chegou. “Ela gritava de dor. Demorou uns 10 minutos para o socorro chegar. A pele da perna estava enrolada para cima do joelho. Foi realmente chocante ver aquela cena”, relatou o estudante.

Em nota, a Rede Metropolitana de Transportes Coletivos da Grande Goiânia (RMTC), lamentou o ocorrido. “A RMTC alerta que os motoristas são constantemente treinados e orientados sobre os procedimentos que devem ser seguidos para oferecer um embarque e desembarque seguro aos passageiros”, completou.

Causas

Para a delegada titular da DICT Nilda Limas Andrade, a maioria dos acidentes resulta de falha humana. “Temos vários casos de falta de atenção, de pedestres atravessando a rua. Imprudência de pais que não vigiam os filhos. Dos motoristas que não esperam o passageiro descer. Agora, os que mais acontecem são por excesso de velocidade e descumprimento da sinalização, como avançar um semáforo ou até mesmo uma faixa de pedestre.”

O diretor de fiscalização da Companhia Metropolitana de Transportes Coletivos (CMTC), Eduardo Cruvinel, diz que a RMTC já foi chamada a prestar esclarecimentos sobre o acidente do Dergo. Porém, ele acredita que casos envolvendo pedestres são pontuais. “Acontecem, mas são raros. Já notificamos a empresa para tomar as providências cabíveis.”

Aparecida de Goiânia

Em Aparecida de Goiânia, na Região Metropolitana, uma mulher foi atropelada por um ônibus na faixa de pedestres, na ontem, na Avenida Rio Verde, Conjunto Cruzeiro do Sul. Segundo o Corpo de Bombeiros, a vítima sofreu escoriações. Ela foi socorrida e encaminhada para o Cais Nova Era.

Fonte: O Popular