DF: Projetos de mobilidade com baixa emissão de carbono no Brasil receberão US$ 6 milhões

Um convênio assinado pelo Ministério das Cidades e pelo BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento) prevê a destinação de seis milhões de dólares para projetos de mobilidade urbana com baixa emissão de carbono em grandes cidades. A parceria foi formalizada durante o III EMDS (Encontro de Municípios com o Desenvolvimento Sustentável), em Brasília (DF), nessa quarta-feira (8).

O objetivo é estimular o desenvolvimento de ferramentas que possam avaliar a redução potencial de gases causadores de efeito estufa no transporte coletivo urbano e não-motorizado. Além disso, deve ajudar a custear a implementação de redes cicloviárias integradas com o sistema público já existente. Os projetos-pilotos serão implantados nas cidades de Belo Horizonte (MG), Fortaleza (CE), São Paulo (SP) e Brasília (DF).

O ministro das Cidades, Gilberto Kassab, explicou que a escolha das cidades aconteceu por meio de avaliação multicritério dos maiores centros urbanos brasileiros, realizada pelo escritório técnico que vai desenvolver os trabalhos em conjunto com o Ministério das Cidades. "Esperamos em breve ampliar essa iniciativa para outras cidades”, disse.

De acordo com o BID, o setor de transporte é responsável por 43% das emissões de gases causadores do efeito estufa, segundo dados de um estudo realizado em 2005. É necessária a implantação de medidas que reduzam esses índices nas maiores cidades brasileiras, uma vez que as alterações climáticas decorrentes do aquecimento global já superam as previsões científicas mais pessimistas.

Segundo o presidente do Iema (Instituto de Energia e Meio Ambiente), que é um dos parceiros da iniciativa, André Luiz Ferreira, "as políticas de mobilidade urbana precisam incorporar objetivos de qualidade ambiental. Esse projeto quer desenvolver ferramentas, conhecimentos e instrumentos para que isso ocorra." Ele afirmou que a meta é criar soluções que atendam de forma mais eficiente a demanda por transporte urbano, com foco na preservação ambiental.

O investimento será a fundo perdido, ou seja, sem a necessidade de contrapartida ou complementação do governo federal. Os recursos virão da empresa Global Environment Facility, responsável pelo Fundo Global para o Meio Ambiente das Nações Unidas.

Fonte: Agência CNT