DF: Policiamento na Estrutural será reforçado

Locais da Cidade Estrutural considerados inseguros pelos rodoviários e interiores de ônibus que circulam pela região administrativa terão o policiamento intensificado a partir de hoje. A medida foi tomada depois que cerca de 200 pessoas interditaram a via nesta manhã.

O comandante do 4° Batalhão de Polícia Militar, tenente-coronel André Luiz Pinheiro Borges, informou que o patrulhamento será aumentado nas Quadras 7 e 8 e no Assentamento Santa Luzia: “As pessoas que fazem o assalto geralmente correm para o assentamento, um local de difícil acesso".

A Polícia Militar fará ações pontuais para reforçar a segurança, segundo o comandante: “Temos policiais à paisana no interior dos coletivos. Nós abordamos o ônibus e pedimos aos passageiros que desçam para serem revistados. Agora esse trabalho será intensificado”.

A manifestação começou pouco antes das 7 h e foi organizada por rodoviários que trabalham na região. A polícia foi deslocada para a Estrutural, localizou o responsável pelo bloqueio em 20 minutos e foram iniciadas as negociações. Segundo o comandante, a organização do protesto não teve a presença do sindicato e teria sido feita de última hora.

Bloqueio de via

O ato chegou a interromper o trânsito nos dois sentidos da Via Estrutural por cerca de 40 minutos. “Nós trabalhamos com a orientação de que nenhuma via de responsabilidade do batalhão seja interditada; e não vai ser”, defendeu o tenente-coronel.

Desde março, a Polícia Militar do DF segue a determinação de não permitir o bloqueio arbitrário do trânsito durante atos de protesto. A medida visa a garantir a segurança de manifestantes e permitir a livre circulação de veículos.

O protesto ocorreu sem confronto com a polícia, e o desbloqueio, sem uso da força. A pista foi liberada depois que representantes de rodoviários foram recebidos pelo comandante do 4° batalhão e pelo administrador da Cidade Estrutural, Evanildo da Silva Macedo. Os ônibus voltaram a rodar normalmente.

Conselho comunitário

O comandante Borges reforçou a importância da participação popular na solução dos conflitos: “A Estrutural tem um conselho comunitário muito atuante, que nos traz demandas constantemente, mas nas reuniões não temos a participação de nenhum representante dos rodoviários”.

As empresas São José e Piracicabana, em que parte dos funcionários participou do protesto, serão notificadas pela Secretaria de Mobilidade para que sejam apuradas as circunstâncias da manifestação.

Na Estrutural, houve queda de 29% no número de roubos a coletivo. Foram 63 casos registrados em 2014, contra 45 em 2015. Segundo a Secretaria da Segurança Pública e da Paz Social, a diminuição se deve à realização da Operação Coletivo, da PMDF, que faz blitze pelo menos duas vezes por semana em cada uma das regiões do DF. Em cada ação, são abordados 50 ônibus.

Fonte: Agência Brasília