DF: Metrô-DF discute, em reunião, causas de falhas e explosões em trens

Em uma reunião, nesta manhã de sexta-feira (23/1), a diretoria da Companhia do Metropolitano do Distrito Federal (Metrô-DF) vai discutir as causas dos incidentes que deixaram os trens sem circular por cerca de três horas. Próximo à estação Águas Claras, um curto-circuito causou princípio de incêndio em um dos vagões e a energia teve de ser cortada para evitar acidentes. Consequentemente, outras composições acabaram afetadas. Pouco depois, um trem perdeu a força e acabou prejudicando o funcionamento das 19h40 até às 22h20, quando o sistema foi normalizado.

Segundo o Metrô-DF, nesta manhã, os 23 trens estão circulando normalmente. A companhia explicou que, após o princípio de incêndio ontem, por volta das 18h30, um dispositivo foi acionado automaticamente para controlar as chamas. Em vídeo foi possível ouvir vários estalos e explosões, o que deixou os passageiros assustados. O Metrô-DF reitera que não houve colisão entre trens. Os passageiros foram retirados e ninguém se feriu. O Corpo de Bombeiros foi acionado.

Sobre o segundo problema ocorrido na noite de ontem, a companhia ainda avalia o que teria causado a perda de força do trem. Por volta das 19h40, a composição parou próximo à estação de Águas Claras. Sem ordem do piloto ou de funcionários do metrô, os passageiros quebraram os vidros das janelas e ficaram sobre os trilhos. Outro trem, que vinha atrás, também precisou ser parado. Por medida de segurança, todo o sistema teve que ser desligado para que as pessoas fossem levadas para a estação e os trens rebocados. O sistema só foi ativado às 22h20.

A secretária Gilvanir Batista, 40 anos, era uma das usuárias. Segundo ela, a única informação repassada foi a de que faltava energia e que os passageiros não poderiam seguir viagem. “As pessoas passaram mal dentro do vagão e começaram a quebrar os vidros para sair pela janela. Estava lotado. Um desespero total”, relatou. O Corpo de Bombeiros encaminhou uma idosa — que estava nervosa, mas sem machucados aparentes — para o Hospital Regional de Taguatinga (HRT) e auxiliou quatro pessoas a se deslocarem. Uma delas, cadeirante. Um dos homens da corporação disse que o resgate aos passageiros foi dificultado por conta da falta de escadas próximo ao local.

A chuva forte que caiu ontem prejudicou o funcionamento dos trens durante todo o dia. Além das falhas que pararam as composições, as estações Concessionárias e Praça do Relógio também foram desativadas, pois ficaram alagadas. No início da manhã, pancadas de chuva foram registradas em Samambaia, Ceilândia, Taguatinga, Gama, Cruzeiro e Asa Sul. Nas três primeiras regiões há relatos de ventos fortes e queda de energia. Em Ceilândia um homem que aguardavam o trem na estação do Centro Metropolitano até o terminal de Ceilândia informou que o metrô funcionava com luzes de emergência, informação confirmada pela Companhia do Metropolitano do Distrito Federal (Metrô-DF).

Fonte: Correio Braziliense